Em moscas de frutas, gênero é determinado na célula

Nestes animais, algumas células sabem seu gênero, outras não. Isso abre a discussão sobre o que significa a sexualidade

The New York Times |

Trinta anos atrás, o biólogo Bruce S. Baker descobriu que o gênero de uma mosca de fruta é determinado não por um hormônio, mas pela expressão de um gene chamado duplo-sexo em células individuais. As fêmeas das moscas de fruta expressam uma forma do gene em suas células, enquanto os machos expressam outra.

Agora, com a ajuda de tecnologia de DNA, Baker e colegas realizaram uma descoberta surpreendente: nem toda célula da mosca é marcada como macho ou fêmea.

De certo modo, algumas células sabem seu sexo, enquanto outras não. Até hoje se acreditava que todas as células de uma mosca de fruta possuíam a versão macho ou fêmea do duplo-sexo ligada.

A pesquisa “gera um pensamento real sobre o que significa a sexualidade”, disse Baker, cientista na Janelia Farm, uma divisão do Instituto Médico Howard Hughes. “Tanto machos quanto fêmeas eram uma mistura de algumas células que sabiam seu sexo com outras que não sabiam”.

É possível que esse paradigma, de que o gênero varia no nível celular, possa ser aplicável a outros organismos, até mesmo em seres humanos. Isso é apenas uma hipótese e, segundo Baker, exigiria pesquisa intensiva.

Mas “moscas e pessoas mostram uma similaridade impressionante”, disse ele. “Com as associações básicas no reino animal, isso é possível”.

Os resultados do estudo foram publicados na edição de 4 de maio do “PLoS Biology”.

    Leia tudo sobre: zoologiasexualidadegenética

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG