Pesquisadores conseguiram traçar infecção de formiga por fungo, há 48 milhões de anos

Cientistas examinaram esta folha fossilizada e concluíram que ela prova que já existiam parasitas há 48 milhões de anos
The New York Times
Cientistas examinaram esta folha fossilizada e concluíram que ela prova que já existiam parasitas há 48 milhões de anos
Uma folha fossilizada pode não parecer grande coisa, especialmente com um pedaço faltando. Porém, para os cientistas que a examinaram detalhadamente, ela contou a história de uma formiga de 48 milhões de anos, que foi infectada por um parasita e conduzida a sua própria morte – como um zumbi.

Num artigo na revista Biology Letters, os pesquisadores reconstruíram o processo da seguinte forma: o fungo Ophiocordyceps unilateralis infecta a formiga e começa a controlar seu cérebro. A formiga-zumbi eventualmente abandona sua colônia e morde o veio central de uma folha. A mordida é tão intensa que trava a formiga no lugar – e faz com que ela morra ali, presa à folha.

Enquanto isso, o fungo prospera e cresce para fora do corpo da formiga.

O fenômeno ocorre atualmente com a formiga-de-cupim. A marca da mordida “aperto mortal” é tão singular que os pesquisadores conseguiram combinar amostras modernas com o fóssil da antiguidade.
“Graças à dramática mordida na folha e à cicatriz evidente, conseguimos provar isso”, disse o principal autor do estudo, Dr. David Hughes, biocientista da Universidade de Exeter.

O fóssil foi descoberto em Messel, na Alemanha. Segundo Hughes, trata-se da primeira demonstração de comportamento parasita nas eras antigas.

“Agora que descobrimos que isso ocorre há 50 milhões de anos”, acrescentou ele, “isso levanta as questões de quando surgiu esse tipo de manipulação, e quais são as forças seletivas que permitiram sua evolução”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.