Destruição de estação na Antártida ameaça resgate de diesel no mar

Se resgate de embarcação naufragada com 10 mil litros de combustível não for feito até março, será adiado para fim do ano

AE |

selo

A destruição da Estação Antártica Comandante Ferraz ameaça interromper o planejamento de retirada da chata (flutuante empregado no transporte de cargas) com 10 mil litros de combustível que naufragou em dezembro passado na Baía do Almirantado. Se não começar nos primeiros 15 dias de março, a tentativa de resgate terá que ser adiada para o final do ano, por causa da chegada do inverno, quando as temperaturas descem a até 30º negativos e o mar congela.

No caso de adiamento, os riscos de vazamento aumentam. De acordo com a Marinha, a chata, a 40 metros de profundidade, manteve intactas suas estruturas ao chocar-se contra o solo marinho. Mas, quanto mais rapidamente for retirada do oceano, menos perigo há de o ecossistema ser contaminado pela carga poluente ainda armazenada dentro de um compartimento do flutuante.

Contratado pela Petrobrás, a pedido da Marinha, para participar do resgate da chata, o navio Gulman Atlantis chegaria amanhã ao litoral onde funcionava desde 1984 a base científica e militar brasileira na Antártida. A Marinha não informou se o cronograma foi mantido depois da destruição da Comandante Ferraz.

Leia também:
Nova base não ficaria pronta antes de três anos, diz arquiteta
Falha no sistema elétrico pode ter causado incêndio, diz embaixador
Acidente em base na Antártida expõe crise do programa brasileiro
Pesquisadores e militares que estavam na Antártida voltam ao Brasil
Chile oferece ajuda na reconstrução da base na Antártica
70% da estação na Antártida foi destruída pelo fogo, diz Marinha
Acidente expõe crise do programa brasileiro, diz pesquisador
Nova estação antártica terá segurança redobrada, diz Celso Amorim

Como o jornal O Estado de S. Paulo revelou na edição de sábado, o mau tempo provocou o naufrágio da chata quando transportava a carga de gasoil artic (óleo diesel anticongelante fabricado pela Petrobrás para emprego na base brasileira da Antártica) entre o navio Almirante Maximiano e o píer da estação. O flutuante foi a pique a cerca de 900 metros da costa. A constatação de que o óleo não vazou trouxe alívio à Marinha, que rebocava a chata, e ao governo da presidente Dilma Rousseff. O Brasil é signatário do Protocolo de Madri (1998), tratado pelo qual os países que compartilham a atuação no continente antártico comprometem-se a não poluí-lo.

O temor de que o governo brasileiro fosse responsabilizado pela possibilidade de causar um desastre ecológico em um santuário natural fez a Marinha manter sigilo a respeito do acidente. Em nenhum momento ela divulgou comunicados públicos informando a sociedade sobre o ocorrido. No sábado, quando a estação pegou fogo, foram três os comunicados oficiais.

Leia os relatos:
“No começo, não achávamos que seria tão grave”

Militares mortos não acharam a saída da casa de máquinas, tomada pela fumaça
"Vi quando colocaram as máscaras para combater o fogo", diz militar
Pesquisadores e militares que estavam na Antártida voltam ao Brasil

A operação de resgate da chata prevê a utilização de um sino de mergulho trazido pelo Gulman Atlantis. Dentro da água, a temperatura a 40 metros de profundidade é negativa. Os mergulhadores que trabalhavam na base antes do incêndio chegaram a descer 20 metros, a uma temperatura de menos 2 graus.

No caso de permanecer por sete minutos a 40 metros de profundidade, o mergulhador terá que subir lentamente por duas horas, para não sofrer uma embolia. Com o mar em uma temperatura muito baixa essa ascensão é problemática. Com a utilização do sino, os mergulhadores não precisarão ir até a chata. As cordas e boias que reconduzirão o flutuante à superfície serão presos mecanicamente por equipamentos especiais manipulados no sino e no navio.

    Leia tudo sobre: antártidacomandante ferrazincêndio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG