Nova espécie fóssil era herbívora, com pescoço e cauda muito longos e vivia no deserto do Atacama

Ilustração do 'Atacamatican chilensis', dinossauro que viveu há 100 milhões de anos no Chile
AFP
Ilustração do 'Atacamatican chilensis', dinossauro que viveu há 100 milhões de anos no Chile
O Atacamatican , um gigantesco dinossauro herbívoro que habitou o norte do Chile há cerca de 100 milhões de anos, converteu-se na primeira espécie descrita exclusivamente como chilena, segundo um estudo divulgado nesta quinta-feira (17) e validado pela revista científica Anais da Academia Brasileira de Ciências.

"O Atacamatitan chilensis é o primeiro dinossauro a ser batizado no Chile", afirmou o paleontólogo David Rubilar, integrante da equipe que realizou a descoberta.

"Esta nova espécie fóssil permitirá ampliar o conhecimento dos dinossauros na América do Sul e representa uma grande contribuição para a paleontologia nacional", acrescentou o pesquisador.

Trata-se de uma nova espécie de dinossauro gigante, o titanossauro, de caráter herbívoro, com pescoço e cauda muito longos, de cerca de oito metros de comprimento e com cerca de cinco toneladas. A particularidade desse dinossauro são suas pernas mais magras, reflexo da geografia do local onde esses animais viveram no passado e de sua alimentação, segundo o cientista.

Descoberto maior dinossauro brasileiro

Descoberto primeiro fóssil de dinossauro angolano

"Sua particularidade foi diagnosticada a partir das vértebras do dorso e da cauda e pelo formato do fêmur, mais fino do que em que qualquer titanossauro já descoberto", explicou Rubilar.

"Não é nem o maior nem o menor, sua principal característica distintiva está no fêmur", acrescentou o especialista.

Os restos desse dinossauro foram encontrados em 2000 onde fica hoje o deserto do Atacama, o mais árido do mundo, localizado no extremo norte do Chile com uma extensão de mais de 100.000 km 2 e com períodos de até 300 anos sem chuvas.

"O Atacamatican se alimentava dos frutos das araucárias, o que indica que, naquela época, o deserto do Atacama não era um lugar tão árido como agora", explicou Rubilar, paleontólogo do Museu de História Natural do Chile.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.