Descoberta no Chile mina de 12.000 anos

Mina de óxido de ferro é a mais antiga das Américas

AFP |

Um grupo de arqueólogos da Universidade do Chile anunciou a descoberta, no norte do país, de mina de óxido de ferro de 12.000 anos, considerada a mais antiga encontrada até o momento nas Américas.

Segundo o jornal El Mercurio, a mina fica perto da localidade de Taltal (1.100 km ao norte de Santiago) e, segundo os primeiros estudos, foi explorada por grupos da cultura Huentelauquén, que extraíam óxido de ferro - mineral usado como pigmento para tingir, muito presente nos rituais religiosos.

Segundo o responsável pela investigação, Diego Salazar, foram tiradas na época 2.000 toneladas de pigmento, equivalentes a 700 metros cúbicos de rocha, um dado considerado relevante pelos cientistas, porque demonstra que os seres humanos da pré-história tinham estrutura menos básica do que se considerava até agora.

A jazida, batizada San Ramón 15, foi descoberta em outubro de 2008, mas só agora pôde ser comprovada a idade real da mina, graças a exames realizados em laboratórios dos Estados Unidos e da Polônia.

Segundo as investigações, a mina foi trabalhada durante dois períodos: por volta de 10.000 a.C, e em torno de 2.000 a.C, extraindo-se quantidade considerável de mineral, a julgar, também, pelas ferramentas que utilizavam, constituída basicamente de martelos de pedra e conchas.

Antes desta descoberta, a mina mais antiga das Américas estava localizada nos Estados Unidos, datando do ano de 2.500 a.C. Na África do Sul foi encontrada uma jazida de 40.000 anos de idade.

    Leia tudo sobre: arqueologiachilemineração

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG