Corpo de militar morto em incêndio na Antártida é sepultado no Rio

"Ele sempre foi meu herói, desde que nasceu", disse a mãe do oficial.

Agência Brasil |

Reginaldo Pimenta/Futura Press
Caixão com corpo do militar foi coberto com a bandeira do Brasil
O corpo do segundo-tenente da Marinha Roberto Lopes dos Santos foi sepultado na tarde de hoje (15), no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, na zona portuária.

Leia também:
Incêndio atinge base brasileira e científica na Antártida
Governo confirma duas mortes em base brasileira na Antártida
Incêndio na Antártida expõe crise do programa brasileiro

Ele foi um dos dois mortos no incêndio que atingiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, base científica e brasileira na Antárdita, no dia 25 de fevereiro.

O corpo do militar só pôde ser enterrado hoje após identificação oficial, feita por exame no Instituto Médico-Legal (IML).

O sepultamento foi acompanhado por parentes, colegas e amigos de Roberto, além de representantes da Marinha.

A mãe do militar, Nair Lopes dos Santos, disse que, desde muito cedo, ele quis seguir a carreira militar. "Ele sempre foi meu herói, desde que nasceu. Sempre desejou estar na Marinha. Por livre vontade, ele estava na Antártica."

Reginaldo Pimenta/Futura Press
Homenagens feitas ao militar durante enterro no Rio




Na Bahia
Foi enterrado com honras militares, no fim da tarde de hoje, o corpo do segundo tenente da Marinha Carlos Alberto Vieira Figueiredo. Ele foi um dos dois militares mortos no dia 25, em um incêndio na Estação Comandante Ferraz, na Antártida. Seu corpo foi liberado apenas ontem, após emissão do laudo cadavérico pelo Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro.

O corpo do militar chegou ao Aeroporto de Vitória da Conquista (BA) às 12h20, em um avião da Força Aérea Brasileira, e foi transportado, em carro aberto do Corpo de Bombeiros, para a Câmara Municipal, onde foi realizado o velório.

Figueiredo recebeu a Medalha do Mérito Legislativo no local. Por volta das 16 horas, o corpo do militar foi levado ao Cemitério Parque da Cidade, onde foi sepultado. Figueiredo estava na Marinha havia 29 anos e desde março do ano passado trabalhava na Antártida. De acordo com a família, o militar deveria voltar em abril para o Brasil e se aposentar no ano que vem.

(Com informações da AE)

    Leia tudo sobre: incêndioantártida

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG