Computador calcula a singularidade de impressões digitais

Sistema será útil para identificar impressões incompletas recolhidas em cenas de crimes, por exemplo

The New York Times |

The New York Times
Impressão digital recolhida em filme: trabalho de identificação é feito manualmente por técnicos forenses
Pesquisadores descobriram uma forma de calcular matematicamente a singularidade de uma impressão digital.

Embora as impressões digitais sejam únicas a cada indivíduo, impressões de cenas de crime são, geralmente, padrões incompletos obtidos em maçanetas ou pedaços de vidro.

Conhecer a singularidade de uma impressão parcial pode ser útil a cientistas forenses que tentam determinar o valor de uma impressão digital como prova, explicou Sargur Srihari, um cientista de computação da Universidade de Buffalo que está conduzindo a pesquisa.

A singularidade já é usada como ferramenta de avaliação.

“Imagine um caso simples, onde um crime foi cometido por alguém com 2 metros de altura”, disse Srihari. “Essa é uma estatura bastante rara; assim, essa característica se torna uma valiosa evidência para ajudar a identificar o suspeito”.

Outro exemplo é o DNA. Analistas forenses podem determinar o grau de singularidade de um padrão específico de DNA, e depois escolher usar essa informação para identificar possíveis culpados.

Srihari e o estudante universitário Chang Su dizem ter feito o mesmo para as impressões digitais.
“É puramente matemático”, afirmou Srihari. “Estamos simplesmente dizendo: ‘Acabamos de achar algo que é incomum, e isso se torna uma importante prova criminal’”.

Para fazer a pesquisa, os cientistas definiram as impressões digitais como uma série de pontos, compostos pelas pontas e bifurcações dos sulcos. Então eles usaram um banco de dados de quatro mil impressões digitais, do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA, e criaram um sistema de computação que consegue ler padrões de impressões. Com base nos pontos de uma impressão, o sistema pode determinar matematicamente sua singularidade.

Atualmente, os cientistas forenses tomam essa decisão sem o apoio da tecnologia.

“Podem ser encontradas centenas de impressões numa cena de crime, e hoje a análise é feita intuitivamente por peritos humanos”, disse Srihari. “Mas nós podemos calcular isso”.

A pesquisa foi apresentada na semana passada em Vancouver, na Columbia Britânica, durante a conferência anual de Sistemas de Processamento de Informações Neurais.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG