Como funciona o reconhecimento de voz?

Os padrões vocais ainda não podem ser usados na identificação de pessoas

The New York Times |

Comparar registros de voz com impressão digital é coisa de seriado policial. São tão diferentes quanto laranjas e bananas, segundo especialistas do National Institute of Standards and Technology americano. Dois grupos do instituto estão trabalhando com impressões digitais e reconhecimento de voz há anos, mas ainda não foi feita uma comparação direta científica, eles disseram.

Os cientistas puderam formular atributos característicos no caso do DNA, mas uma pesquisa mais definitiva ainda deve fornecer uma formulação similar para impressão digital ou de voz. Dispositivos de identificação de voz na TV, com recursos únicos representados como pontos em um gráfico, são super simplificações e, em uso prático, segundo especialistas, as impressões digitais estão bem na frente da voz.

A identificação por impressão digital é baseada em imagens e recursos padrões de amostras visuais, enquanto a identificação por voz usa um tipo diferente de dados, convertendo sinais de som em um fluxo digital de amostras. A teoria por trás das características únicas da voz e até de uma amostra padrão de voz ainda está sendo estudada. O instituto está trabalhando para preencher esse vazio de padronização e, no ano passado, convidou pesquisadores para o pioneiro Voice Biometric Symposium.

Técnicas usadas em sistemas de segurança baseados em voz geralmente dependem de combinar um conjunto de palavras pré-gravadas,o que não é prático para analisar uma conversa grampeada. Outros problemas com o reconhecimento de voz foram discutidos em 2005 em um artigo no “FBI Law Enforcement Bulletin”.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG