Como a rotina se infiltra nos sonhos

Pesquisa mostra que eventos rotineiros demoram uma semana para aparecer nos sonhos de uma pessoa

The New York Times |

No universo das pesquisas sobre o sono, os sonhos são quase uma caixa-preta. Mas uma coisa que os cientistas já discerniram é o padrão peculiar, mas previsível, no qual os sonhos tendem a ocorrer.

Uma pesquisa sugere que grande parte do que acontece em um sonho é único daquele sonho. Porém, alguns eventos do dia da pessoa podem ser incorporados aos sonhos em dois estágios.

Primeiro, há o estágio “resíduo do dia”, no qual eventos emocionais podem entrar nos sonhos da pessoa naquela noite. Mas isso é seguido pelo ainda mais misterioso efeito “atraso do sonho”, no qual esses eventos desaparecem do cenário onírico – muitas vezes para serem incorporados aproximadamente uma semana depois. Este atraso é documentado em estudos desde a década de 1980.

Um estudo de 2004 publicado no “The Journal of Sleep Research” começou desvendar esse ciclo. Pesquisadores revisaram os diários de 470 pessoas que registraram seus sonhos ao longo de uma semana. O efeito do atraso do sonho foi mais forte em pessoas que viam seus sonhos como uma oportunidade de auto-entendimento; seus sonhos muitas vezes envolviam a resolução de problemas ou emoções ligadas a relacionamentos.

Os pesquisadores especularam que os sonhos atrasados eram uma forma de a mente trabalhar dificuldades interpessoais e até “reformular” memórias negativas, transformando-as em mais positivas.

Outros estudos também mostraram uma relação entre os sonhos e este tipo de processamento de memória emocional.

Conclusão: o ciclo do sonho pode ser muito mais longo do que apenas uma noite.

    Leia tudo sobre: sonhossonocérebro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG