Cleópatra teria se suicidado com veneno, diz estudo

Rainha egípcia morreu após tomar coquetel mortal de drogas e não por mordida de cobra, apontam pesquisadores

iG São Paulo |

Getty Images
Pintura de 1755 retrata o suicídio da rainha egípcia Cleópatra
Um estudo de cientistas alemães trouxe novas pistas sobre os mistérios da morte de Cleópatra, a última rainha do Egito: ela teria morrido poucas horas depois de tomar um coquetel de drogas, e não após ser mordida por uma serpente como se acreditava anteriormente. Segundo eles, Cleópatra teria tomado um coquetel feito de ópio (suco extraído de espécies de papoulas) e de plantas venenosas como acônito ( Aconitum napellus ) e cicuta ( Cicuta maculata ), a mesma usada para envenenar o filósofo Sócrates.

Com base em evidências históricas, consultas a textos médicos e conversas com especialistas em cobras de Alexandria, os pesquisadores da Universidade de Trier, na Alemanha, concluíram que Cleópatra teve uma morte rápida e sem dor. Essas características não são compatíveis com os efeitos de um veneno de cobra, que traz experiências dolorosas e pode deixar o indivíduo sofrendo dias até falecer, depois de ter sintomas como vômitos, diarréia e insuficiência respiratória.

Os textos antigos também registram a morte de duas servas de Cleópatra simultaneamente, tornando ainda mais provável que tenham bebido o mesmo coquetel juntas. Além disso, naquela época, as temperaturas no Egito eram tão altas que seria quase impossível uma cobra conseguir ficar parada tempo suficiente para atacar, segundo os pesquisadores.

Na época, já se sabia que uma mistura de venenos podia trazer uma morte rápida e indolor, e os pesquisadores dizem ter encontrado em documentos antigos que a rainha egípcia seria uma especialista em venenos, o que reforça sua tese.

Outros especialistas refutam a teoria, afirmando que a mistura de venenos de origem vegetal não era comum no tempo de Cleópatra. Ela morreu aos 39 anos de idade, seguindo o exemplo de seu amante, o líder romano Marco Antônio, que se matou depois de perder a batalha de Áccio. Cleópatra reinou de 51 a.C. a 30 a.C. e foi a última pessoa a comandar o Egito: após sua morte, no dia 12 de agosto de 30 a.C., o país se transformou em uma província romana. O corpo dos dois é procurado por expedições arqueológicas até hoje .

Sua história foi perpetuada em inúmeras obras de arte, literatura e outras dramatizações, como na peça de teatro “Antônio e Cleópatra”, escrita pelo dramaturgo inglês William Shakespeare.

    Leia tudo sobre: arqueologiaegitocleópatraimpério romano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG