Cientistas vão avaliar prejuízos em incêndio na base na Antártida

Todos equipamentos foram perdidos no acidente. Esperança é que dados de estudos tenham sido salvos em computadores pessoais

iG São Paulo |

AP
Funcionários foram levados ao amanhecer para a base chilena, de onde seguirão para o Chile
A coordenadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Antártico de Pesquisas Ambientais (INCT-APA), Yocie Yoneshigue Valentin, disse que vai se reunir com os pesquisadores que estavam na base Comandante Ferraz, na Antártida, para avaliar as perdas sofridas com o incêndio que destruiu a base brasileira. Ela acredita que a reunião deverá ocorrer no fim da semana que vem.

Cerca de 15 pesquisadores do INCT-APA trabalhavam na Estação Comandante Ferraz. Segundo a coordenadora do instituto, todos os equipamentos científicos que estavam na estação foram perdidos. A esperança, de acordo com Yocie, é que os pesquisadores tenham feito uma cópia do material produzido lá nos próprios computadores pessoais. “Vamos ver se sobrou alguma coisa”.

Leia também:
Nova base não ficaria pronta antes de três anos, diz arquiteta
Falha no sistema elétrico pode ter causado incêndio, diz embaixador
Acidente em base na Antártida expõe crise do programa brasileiro
Pesquisadores e militares que estavam na Antártida voltam ao Brasil
Chile oferece ajuda na reconstrução da base na Antártica
70% da estação na Antártida foi destruída pelo fogo, diz Marinha
Acidente expõe crise do programa brasileiro, diz pesquisador
Nova estação antártica terá segurança redobrada, diz Celso Amorim

A equipe do instituto vinha coletando material sobre as comunidades terrestres e marinhas da Antártica, na última fase da Operação 30, iniciada em 2011 e que se estenderia até 24 de março. Cada ano de pesquisas recebe um número. Isso quer dizer que o INCT-APA está atuando na Antártica há 30 anos. Nem todos os trabalhos, entretanto, foram feitos na Estação Comandante Ferraz, que acabou de completar 28 anos no último dia 6. As pesquisas iniciais do instituto foram feitas no navio oceanográfico Professor W. Besnard, do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP).

Yocie Valentin explicou que as pesquisas que vinham sendo feitas na recente fase da Operação 30 tinham por objetivo conhecer melhor a diversidade dos organismos na Antártica. “A gente está nessa fase da exploração. Saber o que tem e se o aumento da temperatura que está ocorrendo atualmente na Antártica, por causa das mudanças climáticas, está afetando os organismos que vivem lá”.

Leia os relatos:
“No começo, não achávamos que seria tão grave”

Militares mortos não acharam a saída da casa de máquinas, tomada pela fumaça
"Vi quando colocaram as máscaras para combater o fogo", diz militar
Pesquisadores e militares que estavam na Antártida voltam ao Brasil

(Com informações da Agência Brasil)

    Leia tudo sobre: incêndioantártidabase comandante ferraz

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG