Cientistas usam raio-x para não precisar dissecar múmia

Uso de imagens médicas pode revelar novas informações sobre múmia egípcia de 2 mil anos

The New York Times |

University of Illinois
Cientistas usam raio-x para descobrir novas informações sobre múmia de 2 mil anos
Sem recorrer a ferramentas intrusivas, cientistas usaram raios-x e exames de tomografia computadorizada para revelar novas informações sobre uma múmia egípcia de 2 mil anos.

"É possível obter uma grande quantidade de informações com o uso de imagens médicas, sem danificar artefatos de valor incalculável, diferentemente dos estudos da década de 1960, quando se abriam as múmias", disse Sarah U. Wisseman, especialista em múmias da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, que lidera a pesquisa juntamente com um patologista, um radiologista e um antropólogo físico.

Leia mais:
Museu faz tomografia de múmias de crocodilos
Exame em múmia egípcia de 3,5 mil anos revela doença cardíaca
Britânico se torna a primeira pessoa a ser mumificada em 3 mil anos
Tomografia de múmia ajuda polícia dos EUA a solucionar crimes

Tumores pré-históricos geram debate sobre o câncer
Tomografia de múmia ajuda polícia dos EUA a solucionar crimes
Museu faz tomografia de múmias de crocodilos
Tutancâmon morreu de malária e infecção óssea, diz estudo

A múmia era de uma criança que viveu no período greco-romano da história egípcia, entre 332 a.C. e 395 d.C. Wisseman e seus colegas escanearam a múmia em 1990 - descrevendo-a em seu livro "The Virtual Mummy" (Illinois, 2003) - e novamente este ano, já que a tecnologia se aperfeiçoou nos últimos anos.

O crânio da criança estava rachado. Embora já se soubesse disso pelos exames antigos, novas imagens revelam que a rachadura é muito pior do que se pensava. "Há uma pedaço extra de osso empurrado para dentro da cavidade craniana", afirmou Wisseman. "Ainda não sabemos o que ocorreu antes ou depois da morte".

As novas imagens também mostram que provavelmente havia uma mecha de cabelo de um lado da cabeça - algo visto em retratos romanos daquela época. A mecha era um sinal de status, indicando que a criança era de uma família abastada. Sustentando essa hipótese, os tecidos que envolvem a múmia contêm elementos dourados e pigmento vermelho importado da Espanha.

O sexo da criança ainda é um mistério. A pélvis está danificada e as mãos cobrem a região genital.

Wisseman apresentou as descobertas nesta semana num simpósio sobre múmias na universidade.

    Leia tudo sobre: arqueologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG