Cientistas testam fungo transgênico contra malária

Objetivo do estudo é infectar mosquitos com o fungo, eliminando o parasita dentro do inseto

AE |

selo

Um fungo transgênico é a mais nova arma contra a malária. Pesquisadores inseriram dois genes no fungo Metarhizium anisopliae , que infecta insetos.

Um deles produz um anticorpo e o outro, uma toxina obtida de escorpiões. As duas substâncias matam o microrganismo causador da malária. A ideia é infectar mosquitos com o fungo, eliminando o parasita dentro do inseto.

A equipe de cientistas de universidades britânicas e americanas inclui o brasileiro Marcelo Jacob-Lorena, da Escola de Saúde Pública John Hopkins, nos Estados Unidos. Um estudo publicado no último número da revista Science analisa a eficácia da técnica.

Os cientistas estudaram três grupos de mosquitos Anopheles portadores do Plasmodium falciparum , um dos protozoários que causam malária. O primeiro grupo foi exposto ao fungo transgênico. O segundo foi infectado pelo mesmo fungo, mas em sua condição natural, sem os dois genes antimalária. O terceiro serviu como controle, sendo poupado do contato com o fungo.

Apenas 25% dos mosquitos infectados pelo fungo transgênico apresentaram protozoários nas suas glândulas salivares. O mesmo porcentual, em insetos expostos ao fungo comum, foi de 87% e no grupo controle, 94%.

Mesmo nos 25% de mosquitos que ainda portavam o protozoário, houve redução de 95% no número de parasitos encontrados nas glândulas salivares em comparação com a mesma contagem nos insetos expostos ao fungo comum. “Nosso principal objetivo é iniciar os testes em campo na África o mais rápido possível”, diz o coordenador da pesquisa, Raymond St. Leger, da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos.

Elói Garcia, do Instituto Oswaldo Cruz (IOC-Fiocruz), elogia a estratégia. “Os insetos adquirem rapidamente resistência aos inseticidas e aos métodos de controle biológico”, explica. “É praticamente impossível eliminá-los em seu hábitat natural. Muito mais inteligente é fazer com que eles não carreguem o protozoário da malária.”

No Brasil
Garcia relata que a Fiocruz também tem pesquisado uma abordagem semelhante para eliminar o Trypanosoma cruzi , microrganismo causador da doença de Chagas, dentro de barbeiros, inseto que atua como vetor da doença.

Mas, em vez de fungos transgênicos, os brasileiros utilizam bactérias. “Há várias bactérias capazes de matar o T. cruzi ”, explica o pesquisador da Fiocruz. “Não utilizamos organismos transgênicos, pois exigem um esforço muito maior para obter as autorizações sanitárias".

    Leia tudo sobre: malária

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG