Novas descobertas ajudaram a entender por que eles tinham pernas mais curtas

Estátuas mostram como os neandertais teriam se parecido, em museu alemão: formato de corpo tinha suas vantagens
AP
Estátuas mostram como os neandertais teriam se parecido, em museu alemão: formato de corpo tinha suas vantagens
Alguns estudiosos acreditavam que as pernas curtas dos Neandertais eram daquele pelo jeito pelo clima frio onde eles viviam.

Mas agora um estudo do Centro de Anatomia Funcional e Evolução da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, coloca mais um ingrediente neste teoria. “Nosso estudo não busca contradizer as conclusões que um comprimento curto de perna é bom para prevenir a perda de calor em climas frios. O que nossos resultados sugerem é que ter a parte inferior da perna mais curta é benéfica para terrenos montanhosos como os onde os Neandertais viviam, independente do clima”, explicou ao iG Ryan Highs, pós graduando da Johns Hopkins e principal autor do artigo.

Leia outros estudos sobre Neandertais:
Neandertal comia mariscos há 150 mil anos

Povos de fora da África têm genes de Neandertal
Último refúgio dos neandertais teria sido na Rússia
Supremacia numérica deu vantagem a humanos contra Neandertais
Homem moderno herdou gene de sistema imunológico dos Neandertais


O resultado, publicado recentemente no periódico científico American Journal of Physical Anthropology, foi obtido a partir de um modelo matemático e da comparação com animais que vivem em regiões planas e montanhosas no mesmo clima.

Os pesquisadores notaram que aqueles que vivem em colinas têm pernas mais curtas que os que estão em regiões planas. “Agora nós estamos começando um projeto em que medimos o gasto energético (através de medidas de consumo de oxigênio) de seres humanos com diferentes proporções dos membros em superfícies planas e inclinadas”, afirmou Highs.

Os neandertais viveram entre 20.000 e 40.000 anos atrás na Europa e na Ásia Ocidental. Além das pernas mais curtas eles eram mais baixos e atarracados que o homem moderno.

(Com reportagem de Denise Barros)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.