Cientistas pedem a criação de Instituto de Pesquisas Oceânicas

Em reunião da SBPC foram debatidas a pouca importância e a falta de unidade na pesquisa oceanográfica brasileira

Maria Fernanda Ziegler, enviada a Natal |

Cientistas brasileiros querem a criação de um centro de pesquisa aos moldes do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe), para os estudos do mar. A ideia é promover o desenvolvimento contínuo da área, assim como os estudos espaciais se desenvolveram no Brasil, a partir dos anos 60, e hoje têm um instituto que é referência internacional. O assunto foi debatido ontem em um encontro aberto durante a reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Natal.

Coordenado por Paulo Nobre, do Centro de Previsão do tempo e Mudanças Climática INPE/CPTEC, o encontro teve a participação de pesquisadores de várias universidades brasileira e da Marinha. “Não se trata do custo de fazer, mas do custo de não fazer”, disse Nobre.

O encontro concluiu que a maior nação banhada pelo Atlântico Sul pouco sabe de seus oito mil quilômetros de costa e principalmente, tem pouca unidade em seus estudos. “Eu acredito que a questão da articulação seja importante. Como podemos valorizar aquilo que não conhecemos? Sabemos pouco mais de 1% do fundo marítimo”, disse Lúcia Siqueira Campos, da UFRJ.

Pesquisadores pontuaram a falta de navios oceanográficos para as pesquisas e de uma instituição que cuidasse de sua manutenção. Outro problema é a falta de conhecimento sobre o que está sendo feito de pesquisa científica sobre o tema no País. "É preciso, ter maior sinergia entre empresas e institutos de pesquisa e universidade. Não se sabe o Brasil está fazendo de pesquisa científica sobre o assunto. As instituições de pesquisa agem de maneira descoordenada”, disse.

    Leia tudo sobre: SBPCpesquisa científicaBrasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG