Cientistas identificam bactérias marinhas que degradam petróleo

Microorganismos capazes de viver sem oxigênio alimentaram-se de naftaleno

EFE |

Uma equipe de cientistas da Estação Experimental do Zaidín, em Granada, no sul da Espanha, identificou um grupo de bactérias marinhas capazes de biodegradar (alimentar-se e eliminar) naftaleno, um composto derivado do refinamento do petróleo frequente em resíduos poluentes do mar.

Conforme comunicado da Fundação Descubre, para o processo de isolamento dessas bactérias, capazes de viver sem oxigênio ao respirar nitrato, foram usadas amostras do fundo marinho próximo das ilhas Cíes (Galícia), dois anos depois do material produzido pelo naufrágio do navio petroleiro Prestige em 2004 nessa região do norte da Espanha.

Leia mais:
Bactérias marinhas têm potencial para digerir petróleo
Estudos indicam danos e recuperações no Golfo do México
Nova Zelândia anuncia pior catástrofe ecológica marítima do país
Grã-Bretanha considera vazamento no Mar do Norte 'significativo'
Vazamento na Bacia de Campos pode ser 10 vezes pior que o divulgado

Na ocasião, o combustível derivado do petróleo estava misturado com a areia do fundo marinho e formava uma poluição por camadas de alcatrão e areia, segundo a nota.

Os microorganismos isolados foram cultivados em laboratório com um meio de crescimento similar ao de seu entorno natural e foram alimentados apenas com naftaleno.

A pesquisa começou com cultivos que continham muitas espécies bacterianas, até que pouco a pouco foram sendo selecionadas apenas as que conseguiam degradar essa substância, explicou no comunicado a responsável do projeto, Silvia Marqués.

O naftaleno é um composto tóxico para os organismos e a saúde humana, além de ser estável e difícil de ser destruído. Para oxidá-lo quimicamente, é necessário usar métodos potentes e caros, que também são poluentes, por isso fazê-lo biologicamente é mais limpo, afirmou a pesquisadora do Conselho Superior de Pesquisas Científicas (CSIC) da Espanha.

A pesquisa é inovadora, já que até o momento esse processo não havia sido descrito em bactérias que respiram nitrato utilizando naftaleno.

O estudo, que termina em 2013, está sendo desenvolvido em colaboração entre o grupo de Biodegradação Anaeróbia de Aromáticos do CSIC e um grupo do Departamento de Síntese da Faculdade de Ciências Experimentais da Universidade de Almería.

    Leia tudo sobre: petróleovazamentobactéria

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG