Cientistas explicam como amarelos de Van Gogh se tornaram marrons

Estudo revelou a reação química, desencadeada pela luz do sol, que causa o desaparecimento do amarelo nas obras do pintor

AFP |

Getty Images
Autoretrato: estudo com quadros de Van Gogh possibilita a compreensão de como as pinturas envelhecem e como devem ser conservadas
Cientistas descobriram uma reação química que fez com que os intensos amarelos das obras do pintor holandês Vincent Van Gogh se tornassem marrons, afirma um estudo publicado nesta segunda-feira (14) nos Estados Unidos.

Testes com um ultrassensível raio X microscópico revelaram uma reação química desencadeada pela luz do sol, que causa o desaparecimento do amarelo, informa o trabalho publicado no jornal Analytical Chemistry.

"Este tipo de pesquisa de vanguarda é crucial para avançarmos em nossa compreensão de como as pinturas envelhecem e como devem ser conservadas para as futuras gerações", disse Ella Hendriks, do Museu Van Gogh de Amsterdã.

Os estudos realizados no síncrotron de Grenoble, na França, mostraram uma redução do cromo "especialmente notável na presença de compostos químicos que contêm bário e sulfeto".

Esta observação levou os cientistas a acreditar que "a técnica de Van Gogh de mesclar pintura branca e amarela pode ser a causa do escurecimento de seus amarelos", diz o estudo.

O trabalho foi liderado por Koen Janssens, da Universidade de Amberes, na Bélgica. A química italiana Letizia Monico dirigiu os experimentos, enquanto cientistas da Itália, França e Holanda também formaram parte da equipe.

    Leia tudo sobre: Artevan goghpinturaquímica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG