Cientistas dos EUA descobrem supernova jovem e próxima

Astrônomos avisam que em breve será possível ver a explosão estelar com um par de binóculos

Reuters |

Reuters
Flecha na parte inferior da imagem indica a supernova PTF11kly, na galáxia Pinwheel, na constelação Ursa Maior
Astrônomos da Califórnia descobriram a mais próxima e mais brilhante supernova de seu tipo em 25 anos, capturando o brilho de uma minúscula estrela autodestrutiva a meros 21 milhões de anos-luz da Terra e, que em breve será visível para os amadores observadores do céu.

A descoberta, anunciada na quarta-feira (7), foi feita no que se acreditava ser as primeiras horas de uma rara explosão cósmica, por meio de um telescópio especial no Observatório Palomar, perto de San Diego, e com supercomputadores poderosos em um laboratório do governo em Berkeley.

A detecção tão cedo de uma supernova tão perto mobilizou astrônomos de todo o mundo, que estão se empenhando para observá-la com qualquer telescópio à disposição, incluindo o gigante Telescópio Espacial Hubble.

Os cientistas por trás da descoberta no Laboratório Nacional Lawrence Berkeley e a Universidade da Califórnia, no câmpus de Berkeley, disseram que o fenômeno extraordinário - chamado pelo nome um tanto obscuro de PTF 11kly - provavelmente se tornará a supernova mais estudada da história.

"É um clássico cósmico instantâneo", disse Peter Nugent, cientista-sênior da UC Berkeley que a viu primeiro.

A PTF 11kly apareceu na Galáxia Pinwheel, localizada na constelação Ursa Maior. A uma distância de cerca de 21 milhões de anos-luz, isso a coloca, na escala cósmica, praticamente "no nosso quintal". A maioria das supernovas descobertas com o telescópio Palomar de 48 polegadas estão a cerca de 1 bilhão de anos-luz de distância e muito longe para o público geral poder ver, explicou Nugent.

Inicialmente detectada em 24 de agosto, a PTF 11kly literalmente ficou mais brilhante a cada minuto e já estava 20 vezes mais luminosa em apenas um dia. Ela deve atingir seu pico em algum momento entre 9 e 12 de setembro, quando se tornará visível a observadores de estrelas com um bom par de binóculos ou um telescópio pequeno.

    Leia tudo sobre: supernovaestrelauniverso

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG