Cientistas detectam pulsar de milissegundo mais brilhante já descoberto

Inicialmente, pesquisadores acreditaram que raios gamas estavam sendo emitidos por vários pulsares

EFE |

© NASA/ESA/I. King (University of California, Berkeley)
Pesquisadores encontram pulsar mais brilhante em aglomerado de estrelas na constelação de Sagitário
Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu, com a colaboração do telescópio Fermi, o pulsar de milissegundo mais brilhante detectado até agora. O pulsar de raios gama estava dentro de um grupo de milhares de estrelas a aproximadamente 27 mil anos-luz da Terra. A alta luminosidade indica que o J1823-3021A é o mais jovem pulsar de milessegundo já encontrado e seu campo magnético é muito mais forte do que poderia ser em teoria.

O professor Paulo Freire, do departamento de radioastronomia do Instituto Max Planck em Bonn, Alemanha, e sua equipe detectaram o pulsar J1823-3021A girando em um grupo globular situado na constelação de Sagitário.  O pulsar é uma estrela formada por nêutrons que emite radiação periódica e possui um campo gravitacional até um bilhão de vezes maior que o campo gravitacional terrestre.

A princípio, Freire e seus colegas acreditavam que as intensas emissões de raios gama estavam emanando de pulsares de milissegundo, que só haviam sido detectados antes em ondas de longitude de rádio, localizadas dentro do grupo globular.

No entanto, após uma inspeção mais próxima com o telescópio espacial de raios gama Fermi, se deram conta que a emissão de raios gama do grupo estava dominada apenas por este pulsar.

"Os pulsares normalmente brilham muito nos telescópios de ondas de rádio, mas agora com o telescópio Fermi descobrimos vários como este em raios gama", explicou Freire.

De acordo com o professor, eram conhecidos cerca de dois mil pulsares em rádio. Antes do lançamento de Fermi, eram conhecidos apenas seis pulsares em raios gama e agora foram detectados mais de 100.

Muitos das descobertas do Fermi usam os dados dos telescópios de rádio para saber qual é o tempo de rotação do pulsar para detectá-lo em raios gama.

Seus achados sugerem que "estes pulsares de milissegundo podem ser muito mais energéticos do que indicam as teorias que tínhamos até agora" e podem existir mais pulsares com estas características no resto da galáxia.

"Temos uma teoria de como se forma (um pulsar), mas não nos permite explicar porque é tão energético e tem um campo magnético tão intenso" declarou Freire.

    Leia tudo sobre: espaçopulsar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG