Cientistas desenvolvem vacina que ataca câncer de mama em ratos

Técnica poderá ter resultados no tratamento de câncer no ovário, pâncreas e colo

AFP |

Um grupo de cientistas dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira (12) que desenvolveu uma vacina que ataca vários tipos de tumores, o que poderá ajudar no tratamento de câncer de mama, colo, ovário e pâncreas.

A vacina mostrou-se promissora em ratos de laboratório, mas sua eficácia ainda precisa ser confirmada com testes em humanos, destacaram os pesquisadores.

"Esta vacina provoca uma resposta imunológica muito forte e ativa três componentes do sistema imunológico para reduzir o tamanho do tumor, em média em 80%", revelou um dos autores do estudo, Geert-Jan Boons, professor de química e pesquisador do Centro de Câncer da Universidade da Geórgia.

A vacina orienta o sistema imunológico a atacar os tumores que carregam uma proteína conhecida por MUC1 na superfície de suas células, revela o artigo publicado na revista da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

A MUC1 é encontrada em mais de 70% dos tipos agressivos de câncer, incluindo na maioria dos tumores malignos de mama, pâncreas e em vários melanomas.

Leia mais:
Cientista desenvolve spray que detecta tumores em poucos minutos
Tumores pré-históricos geram debate sobre o câncer
Segredos do câncer ganham novas luzes
Cães identificam câncer de intestino em fase inicial
Luz infravermelha pode ser arma contra o câncer, diz estudo

"Esta é a primeira vez que se desenvolve uma vacina que 'treina' o sistema imunológico a distinguir e matar células cancerígenas baseando-se em suas diferentes estruturas de açúcar em proteínas, como a MUC1", destacou outra autora da pesquisa, Sandra Gendler, professora da Clínica Mayo, no Arizona.

A proteína MUC1 também é encontrada em 90% das pacientes que apresentam um tipo de câncer de mama conhecido como tumor "triplo negativo", que não respondem a tratamentos hormonais como o Tamoxifeno, a inibidores de aromatase ou ao remédio Herceptin.

Estas pacientes precisam urgentemente de novos tratamentos para combater seu câncer e "apenas nos Estados Unidos há 35 mil casos diagnosticados a cada ano de triplo negativo", destacou Boons.

"Poderemos ter uma terapia para um grande número de pacientes que atualmente não contam com terapia farmocológica, e dependem apenas da quimioterapia".

A vacina contra a MUC1 poderá ser utilizada em combinação com quimioterapia e como medida preventiva em pacientes com alto risco de desenvolver certos tipos de câncer.

Boons, Gendlser e sua equipe estão trabalhando com a vacina em células cancerígenas humanas em laboratório e poderão começar a Fase I de testes clínicos para provar sua segurança no final de 2013.

    Leia tudo sobre: câncervacina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG