Cientistas desenvolvem pílula que absorve substâncias radioativas

Cápsula reduziu, a níveis não detectáveis, concentração de materias radioativos em líquidos

EFE |

Uma equipe de cientistas está desenvolvendo uma pílula que pode absorver e reduzir a concentração de substâncias radioativas de líquidos como leite, água e sucos, informou nesta terça-feira a Sociedade Americana de Química.

A cápsula apresentada em reunião do organismo poderá ser utilizada em grande escala por empresas alimentícias e consumidores comuns para evitar as dúvidas sobre a contaminação radioativa de alimentos.

Os criadores citaram as preocupações atuais sobre o terrorismo com material radioativo ou após o acidente nuclear de Fukushima Daiichi , que contaminou alimentos em áreas próximas à usina afetada pelo terremoto e posterior tsunami do dia 11 de março de 2011 no Japão .

Leia também: Vazamento de água radioativa é detectado na usina de Fukushima

"Desenvolvemos (a pílula) para a descontaminação radioativa de água e bebidas de um composto que em sua origem se desenvolve para a exploração dos oceanos na busca por urânio e para retirar metais pesados e urânio de água contaminada", declarou Allen Apblett, professor da Universidade de Oklahoma.

Leia notícias sobre contaminação de alimentos no Japão:
Empresa do Japão detecta material radioativo em leite em pó
Japão afirma que alimento radioativo não chegou ao consumidor

A pílula está composta por nanopartículas de óxidos metálicos, que reagem com certos materiais radioativos e os absorvem, de modo que uma vez retirada a cápsula se reduz a concentração de substâncias perigosas.

A cápsula pode atrair os actinídeos da tabela periódica, que são radioativos, entre eles plutônio e urânio, além de outras partículas como chumbo, arsênico e estrôncio, relacionados normalmente com íons radioativos derivados da fissão nuclear.

Os pesquisadores asseguram que nos testes preliminares em laboratório a nova tecnologia permitiu reduzir a concentração de materiais radioativos a níveis não detectáveis, mas não detalharam se a pílula funciona com altas concentrações.

Os responsáveis pela invenção estão tentando avançar na comercialização da pílula, que por enquanto seria utilizada principalmente para eliminar chumbo, cádmio e estrôncio de suplementos dietéticos com cálcio.

    Leia tudo sobre: radioativoquímica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG