Cientistas descobrem que pássaro usa o olfato

Ao contrário do que se imaginava anteriormente, pesquisadores viram que diamantes mandarim reconhecem parentes pelo cheiro

The New York Times |

Getty Images
Diamante mandarim: escolha de ninhos dos pais foi causada pelo olfato
Por muito tempo pensou-se que pássaros canoros não usavam o olfato. Isso porque um estudo de 1968 havia descoberto que seus bulbos olfativos são menores que os de outros tipos de pássaros.

Mas um novo estudo relata que filhotes de diamante mandarim já emplumados são capazes de reconhecer seus parentes através do cheiro.

Leia também:
Espécie de passarinho cria ilusão de ótica para atrair fêmea

Estudo diz que habilidade de construir ninhos em aves é aprendida e não inata
Dupla de pássaros consegue sincronizar canto
Cientistas comprovam que aves herdaram olfato dos dinossauros
Estudando as mais incríveis máquinas voadoras: os pássaros
Genoma de pássaro traz pistas para a fala humana

Embora a região olfativa do cérebro dos mandarins seja "pequena, parece funcionar", segundo E. Tobias Krause, biólogo da Universidade de Bielefeld na Alemanha e um dos autores do estudo.

Krause e seus colegas relataram seu achado na revista Biology Letters.

Depois que os mandarins chocaram seus ovos, os pesquisadores transferiram seus filhotes para ninhadas diferentes, longe dos pais.

Com vinte a vinte e três dias de idade, foram apresentadas a cada pássaro amostras do ninho onde foram chocados e do ninho onde foram acolhidos. Os pássaros indicaram sua preferência em entrar ou empoleirar-se em frente à caixa artificial que produzia o odor mais apelativo.

"Eles escolheram o ninho de seus pais genéticos", diz Krause.

Os pássaros podem estar recorrendo ao cheiro para detectar parentes e evitar cruzamento consanguíneo, segundo Krause.

"Nossos resultados se restringem aos mandarins, mas é muito provável que outros pássaros canoros e outros pássaros em geral tenham essa habilidade de reconhecer sua linhagem", diz ele.

Pesquisas futuras poderão ajudar a determinar se a habilidade dos mandarins de detectar o odor de seus parentes é inata ou aprendida. Qualquer que seja o caso, Krause diz que "essa capacidade de reconhecer parentes é baseada em estímulos".

    Leia tudo sobre: pássarosolfato

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG