Cientistas descobrem quarto exoplaneta potencialmente habitável

Planeta rochoso fora do sistema solar é considerado o melhor candidato para manter água em estado líquido e poder abrigar vida

AFP |

ESO/L. Calçada
Imagem produzida a partir dos registros do telescópio ESO mostra a atmosfera do exoplaneta batizado GJ 1214b. Cientistas agora estudam o GJ 667Cc
Uma equipe internacional de astrônomos anunciou nesta quinta-feira (2) a descoberta de um novo exoplaneta potencialmente habitável, elevando para quatro o número de planetas situados fora de nosso sistema solar detectados pela comunidade científica.

"Este planeta rochoso é o novo e melhor candidato para manter água em estado líquido em sua superfície e pode abrigar vida tal qual nós a conhecemos", explicou Guillem Anglada-Escudé, chefe da equipe que trabalha na Carnegie Institution for Science, em Washington.

Este planeta (GJ 667Cc) está em órbita em torno de uma estrela batizada de GJ 667C, situada a cerca de 22 anos-luz da Terra (um ano-luz equivale a 9.460 bilhões de km).

Ele contorna a sua estrela em 28 dias e tem uma massa mínima 4,5 vezes a da Terra. É também cerca de 50% mais pesado que o nosso planeta.

O planeta se encontra a uma distância de sua estrela em uma "zona habitável", onde as temperaturas não são nem muito quentes nem muito frias, permitindo que a água permaneça em estado líquido.

Os pesquisadores também descobriram indícios que levam a crer que pelo menos um outro exoplaneta, talvez até três, estão em órbita na mesma estrela.

Esta estrela faz parte de um sistema estelar que possuí três estrelas.

Esta descoberta prova que planetas potencialmente habitáveis podem se formar em uma maior variedade de ambientes que acreditávamos, notaram os autores desta descoberta que deve ser publicada nas Cartas do Jornal de Astrofísica.

Leia mais:
Mais de 500 milhões de planetas podem ter vida

Sonda espacial descobre mini-sistema planetário com seis planetas
Nasa descobre planeta com dois sóis

O manuscrito será publicado na internet no site arxiv.org/archive/astro-ph .

Os astrônomos utilizaram dados públicos do Observatório Europeu Austral (ESO) no Chile que analisaram de acordo com um novo método.

Eles incorporaram medidas efetuadas com os telescópios do Observatório Keck no Havaí.

    Leia tudo sobre: espaçoexoplaneta

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG