Cientistas descobrem como esquilos hibernam

Pesquisadores da Universidade do Alaska descobriram substância que baixa metabolismo dos roedores sem causar danos cerebrais

AFP |

Getty Images
Adenosina e substância similar à cafeína regulam hibernação em esquilos
Cientistas do Alaska revelaram nesta terça-feira que descobriram como fazer um esquilo hibernar, algo que poderá ser utilizado para preservar a função cerebral de humanos que sofreram acidentes vasculares cerebrais ou ataques cardíacos.

Leia também:
Ursos diminuem drasticamente seu metabolismo durante hibernação

Aquecimento global faz marmotas crescerem

Mas a técnica funcionou apenas para os esquilos despertados durante a temporada de hibernação, e não fora dela, destaca o estudo publicado no The Journal of Neuroscience.

Pesquisadores da Universidade do Alaska, em Fairbanks, aplicaram nos esquilos árticos uma substância similar à cafeína para despertá-los de sua hibernação.

Outra substância foi administrada em distintos momentos do ano para estimular partes do cérebro e fazer que a molécula chamada adenosina se juntasse a certos receptores para causar a sonolência.

"Quando um esquilo começa a hibernar e quando se sente sonolento é porque as moléculas de adenosina se uniram a receptores no cérebro", disse Tulasi Jinka, principal autor do estudo.

A adenosina baixa a atividade das células nervosas e os animais que hibernam experimentam temperaturas corporais muito baixas e consomem pouco oxigênio, mas não sofrem dano cerebral.

Se os cientistas puderem dominar este processo nos humanos, serão capazes de prevenir danos causados por traumas graves, como acidentes vasculares cerebrais ou ataques do coração.

Os pesquisadores foram capazes de despertar o esquilo durante sua hibernação e fazê-lo dormir novamente, mas quanto tentaram induzir a hibernação no verão, fora da temporada regular, não obtiveram sucesso.

Os cientistas não têm certeza do que faz o cérebro suficientemente sensível à adenosina para permitir a entrada em um estado de hibernação quando chega o inverno, e seu próximo passo será testar o processo com ratos, cujos sistemas são mais semelhantes aos humanos.

"Compreender as qualidades neuroprotetoras dos animais que hibernam pode levar ao desenvolvimento de um medicamento ou tratamento para salvar a vida das pessoas após um acidente vascular cerebral (AVC) ou um ataque do coração", disse Kelly Drew, autora e professora do Instituto de Biologia Ártica da Universidade do Alasca.

    Leia tudo sobre: hibernaçãoesquilos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG