Cientistas denunciam que Nasa vai cortar missões a Marte

Projeto de voos a Marte está ameaçado, alertam pesquisadores que tiveram acesso ao orçamento da agência para 2013

iG São Paulo |

Nasa
Engenheiro supervisiona construção do Telescópio Espacial James Webb: substituto do Hubble quebrou a Nasa
Cientistas americanos afirmam que a agência espacial dos Estados Unidos (Nasa) está prestes a propor cortes severos em seu programa de exploração de outros planetas, especialmente Marte. Um dos ex-chefes da Nasa chama o plano de “irracional”.

Com verba limitada para ciência e um novo telescópio espacial que já está com o orçamento estourado, a Nasa teve que escolher onde queria explorar: os planetas vizinhos ou o espaço sideral. E nesse embate, Marte perdeu.

Dois cientistas que receberam o orçamento de 2013 da Nasa, que será divulgado oficialmente na semana que vem, dizem que a agência vai eliminar duas propostas de missões conjuntas com a Europa para explorar Marte em 2016 e 2018, que custariam aos cofres americanos cerca de 1,4 bilhões de dólares (cerca de 2,4 bilhões de reais).

Algumas missões ao planeta vão continuar, mas o destino de voos futuros é incerto, incluindo o sonhado voo para conseguir rochas marcianas.

Leia também:
Diretor da Nasa diz que corte no orçamento pode atrasar viagens até 2017

Nasa espera garantir ambições, apesar de cortes no orçamento
Exploração do espaço não precisa ser humana, diz Nasa
Entraves financeiros ameaçam missão a Marte

Os dois cientistas, que falaram à agência Associated Press sob a condição de anonimato porque não estavam autorizados a discutir o orçamento, dizem que os cortes nas viagens a Marte são parte de uma redução proposta de 300 milhões de dólares (517 milhões de reais) do orçamento geral de viagens interplanetárias da Nasa, que é de 1,5 bilhões de dólares (2,5 bilhões de reais). Mais de 200 milhões de dólares desses cortes são do programa de Marte, afirmam. O orçamento atual para Marte é de 581,7 milhões de dólares (um bilhão de reais).

“É totalmente irracional e sem justificação,” afirmou Edward Weiler, que até setembro de 2011 era o administrador associado da Nasa para ciência. “Os Estados Unidos são o único país que provou conseguir chegar a outros planetas, no caso, Marte. É uma questão de orgulho nacional”.
Weiler afirmou que se demitiu no ano passado porque estava cansado de brigar por Marte nos cortes de orçamento. No ano passado, segundo ele, foi possível manter os programas ao planeta com a verba atual, mas ele não tinha nenhuma informação de como seria o orçamento de 2013.

Há dois anos, o presidente Barack Obama afirmou que sua prioridade no programa espacial seria enviar astronautas a Marte .

O porta-voz da Nasa David Weaver afirmou que, como o resto do governo americano, a agência espacial teve que fazer escolhas difíceis e viver dentro de suas possibilidades. Para isso, afirmou em um email que a Nasa estava reavaliando suas iniciativas de exploração de Marte e maximizar seus resultados”. E continuou, lembrando que a Nasa tem um jipe-robô a caminho do planeta neste momento, o Curiosity .

Um dos problemas do orçamento da Nasa é o substituto do popular telescópio espacial Hubble. O James Webb, que deverá ser 100 vezes mais forte que o Hubble e conseguirá enxergar mais longe no Universo, está orçado em 8 bilhões de dólares (13 bilhões de reais). Seu valor original era de 3,5 bilhões de dólares (6 bilhões de reais).

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: nasaespaçomarte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG