Cientistas criam técnica para diagnosticar tumores cerebrais

Corante especial, testado em ratos, possibilitou observar presença e concentração no cérebro de proteína vinculada ao câncer

EFE |

Cientistas da Universidade de Oxford criaram uma nova técnica para chegar a um diagnóstico precoce dos tumores cerebrais, que matam um a cada dez pacientes da doença.

Os tumores podem ser tratados com radioterapia ou serem extirpados através de cirurgia, mas são difíceis de diagnosticar e por isso são letais.

A pesquisa consistiu em testar em ratos um corante especial que permite observar a presença e a concentração no cérebro de uma proteína vinculada ao câncer, após submeter o paciente a uma ressonância magnética.

Os resultados do estudo, apoiado pela organização Cancer Research UK, foram publicados nesta segunda-feira pela revista americana "Proceedings of the National Academy of Sciences".

Leia mais:
Cientistas criam molécula sintética que desativa formação de tumores
Equipe identifica agente celular cuja perda promove metástase
Cientistas desenvolvem vacina que ataca câncer de mama em ratos
Pesquisadores buscam retirar 'combustível' de células cancerosas

Para melhorar as taxas de sobrevivência, "é urgente encontrar novos métodos de diagnóstico para detectar este tipo de câncer o mais rápido possível", explicou a investigadora principal do estudo, Nicola Sibson, da organização Gray Institute da Universidade de Oxford.

Nicola acredita que, se os testes clínicos tiverem sucesso e a técnica se generalizar, seu descobrimento permitirá aumentar o número de opções terapêuticas para os pacientes.

"Este emocionante descobrimento revela que uma só proteína pode permitir os médicos a fazer um desenho para detectar se o câncer se estendeu ao cérebro em um estágio muito precoce, quando o tratamento tem mais probabilidade de funcionar", explicou a doutora Julie Sharp, da Cancer Research UK.

Nos últimos anos, os investimentos em pesquisa tornaram possíveis grandes progressos no tratamento dos tumores cerebrais, especialmente em crianças, mas ainda é necessário melhorar os resultados em adultos, ressaltou Julie.

    Leia tudo sobre: câncercâncer cerebral

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG