Cientistas criam mosquito imune à malária

Especialistas alertam que é preciso avaliar ainda os riscos à natureza de insetos modificados geneticamente

BBC Brasil |

selo

Cientistas nos Estados Unidos conseguiram desenvolver um mosquito transgênico resistente à malária, segundo um estudo divulgado na revista científica PloS Pathogens.

Os pesquisadores da Universidade do Arizona introduziram um gene que afeta o aparelho digestivo do inseto, impedindo o desenvolvimento do parasita da malária.

Os cientistas incluíram uma marcação fluorescente no gene para certificar-se de que as larvas do inseto haviam sido efetivamente modificadas. A mudança na constituição do mosquito também diminuiria sua expectativa de vida.

"Esta foi a primeira vez que conseguimos bloquear completamente o desenvolvimento do parasita no mosquito", disse Michael Riehle, um dos pesquisadores.

Natureza
O objetivo, segundo os pesquisadores, é introduzir o mosquito modificado no meio ambiente para que ele substitua o inseto que carrega a doença. "Antes de fazermos isto, temos que de alguma forma dar vantagens competitivas aos mosquitos (transgênicos) sobre os que carregam a doença", disse Riehle.

Uma das possibilidades é garantir que o gene modificado seja transmitido a novas gerações e se espalhe por toda a população de insetos. Outra opção seria tornar os mosquitos geneticamente imunes a toxinas usadas contra os insetos que portam a malária. Mas existem preocupações éticas a respeito de soltar insetos modificados no ambiente.

Especialistas dizem que, além dos entraves científicos, é preciso avaliar efetivamente os riscos e benefícios para a espécie humana e a natureza.

    Leia tudo sobre: mosquitomaláriagenética

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG