Cientistas criam menor motor elétrico do mundo com uma única molécula

Molécula de um bilionésimo de metro pode ser movido individualmente por uma corrente elétrica

BBC Brasil |

selo

Pesquisadores americanos dizem ter criado o menor motor elétrico do mundo. O motor, feito com uma única molécula com diâmetro de um bilionésimo de metro, é tema de um artigo no periódico Nature Nanotechnology.

Por suas dimensões minúsculas, o motor pode ser útil em nanotecnologia e medicina, onde pequenas quantidades de trabalho podem ser aproveitadas de maneira eficiente. Motores feitos com uma única molécula já foram construídos antes, mas esse é o primeiro que pode ser movido individualmente por uma corrente elétrica.

Leia também:
Novo material pode dar ímpeto a energia solar

Método inovador cria microscópio mais potente do mundo

"As pessoas já descobriram que podem fazer motores movidos a luz ou reações químicas, mas o problema disso é que você dirige bilhões deles ao mesmo tempo", disse à BBC Charles Sykes, químico da Universidade Tufts, em Massachusetts, nos Estados Unidos.

"O que nos empolga em relação ao elétrico é que podemos estimular e observar o movimento de apenas um motor, e podemos ver como as coisas se comportam em tempo real."

Uso em miniatura
O motor consiste de uma molécula de sulfeto de butil metil colocada sobre uma superfície de cobre. O único átomo de enxofre presente na molécula age como um eixo. A ponta de um microscópio de efeito túnel, ou STM (do inglês Scanning Tunneling Microscope) - uma minúscula pirâmide cuja ponta tem diâmetro de apenas um ou dois átomos -, é usada para enviar uma corrente elétrica para dentro do motor.

Simultaneamente, o STM também produz imagens da molécula enquanto ela gira. A molécula se move em ambas as direções, com uma velocidade de até 120 rotações por segundo.

No entanto, quando se tira a média após algum tempo, observa-se uma rotação real em uma única direção. Segundo Sykes, se a molécula for levemente alterada, pode ser usada para gerar radiação de micro-ondas ou incorporada aos chamados sistemas nanoeletromecânicos.

"O próximo passo é colocar a coisa para trabalhar para que possamos medi-la - acoplando-a a outras moléculas, enfileirando-as, ao lado uma das outras, para que se transformem em rodas dentadas em miniatura." "Depois, podemos observar a propagação da rotação em cadeia", disse o pesquisador.

Segundo seus criadores, o motor elétrico de uma única molécula também pode ser útil em medicina. Ele pode ser usado, por exemplo, para levar quantidades controladas de medicamentos a locais específicos no organismo. Nesse momento, a equipe de Sykes está em contato com o Livro Guinness dos Recordes para tentar registrar sua invenção como o menor motor do mundo.

    Leia tudo sobre: moléculananotecnologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG