Pesquisadores japoneses pretendem usar o método para projetar máquinas com alta capacidade de detecção de gases poluentes

Sensor para detectar gases utiliza ovos modificados de rãs africanas
Getty Images
Sensor para detectar gases utiliza ovos modificados de rãs africanas
Pesquisadores japoneses criaram um acurado sensor capaz de detectar cheiros e gases, por meio de ovos de rã modificados por engenharia genética.

Em um estudo publicado na terça-feira (24) pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences, eles disseram que esperam usar a invenção a fim de projetar máquinas melhores para a detecção de gases poluentes como o dióxido de carbono.

"É muito importante para o meio ambiente," disse o diretor da pesquisa, Shoji Takeuchi, do Instituto de Ciência Industrial da Universidade de Tóquio.

Takeuchi e seus colegas injetaram partes do DNA de três insetos - duas variedades de mariposa e drosófilas - em ovos extraídos de rãs africanas.

Ele comparou os ovos a "plataformas" e informou que passados estudos haviam determinado que certos segmentos de DNA dos três insetos eram responsáveis pela detecção de odores e gases.

"Injetamos DNA nos ovos das rãs e com isso somos capazes de produtor sensores muito úteis e de baixo custo," disse Takeuchi.

Os ovos alterados por engenharia genética foram posteriormente instalados em um cartucho especialmente projetado, onde foram expostos a diferentes odores e produtos químicos.

"Usamos três tipos de feromônios e um odorante (os quatro semelhantes em termos químicos) e os ovos se provaram claramente capazes de separar e detectar os diferentes cheiros e produtos," disse Takeuchi por telefone.

A equipe espera usar o mesmo método para detectar gases como o dióxido de carbono, no futuro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.