Cientistas criam detector de cheiro usando ovos de rãs

Pesquisadores japoneses pretendem usar o método para projetar máquinas com alta capacidade de detecção de gases poluentes

Reuters |

Getty Images
Sensor para detectar gases utiliza ovos modificados de rãs africanas
Pesquisadores japoneses criaram um acurado sensor capaz de detectar cheiros e gases, por meio de ovos de rã modificados por engenharia genética.

Em um estudo publicado na terça-feira (24) pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences, eles disseram que esperam usar a invenção a fim de projetar máquinas melhores para a detecção de gases poluentes como o dióxido de carbono.

"É muito importante para o meio ambiente," disse o diretor da pesquisa, Shoji Takeuchi, do Instituto de Ciência Industrial da Universidade de Tóquio.

Takeuchi e seus colegas injetaram partes do DNA de três insetos - duas variedades de mariposa e drosófilas - em ovos extraídos de rãs africanas.

Ele comparou os ovos a "plataformas" e informou que passados estudos haviam determinado que certos segmentos de DNA dos três insetos eram responsáveis pela detecção de odores e gases.

"Injetamos DNA nos ovos das rãs e com isso somos capazes de produtor sensores muito úteis e de baixo custo," disse Takeuchi.

Os ovos alterados por engenharia genética foram posteriormente instalados em um cartucho especialmente projetado, onde foram expostos a diferentes odores e produtos químicos.

"Usamos três tipos de feromônios e um odorante (os quatro semelhantes em termos químicos) e os ovos se provaram claramente capazes de separar e detectar os diferentes cheiros e produtos," disse Takeuchi por telefone.

A equipe espera usar o mesmo método para detectar gases como o dióxido de carbono, no futuro.

    Leia tudo sobre: saposovosdióxido de carbono

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG