Cientistas confirmam autenticidade de fóssil de 13 mil anos de antiguidade

Exemplar encontrado em Vero Beach, no Estado norte-americano da Flórida, é a mais antiga obra de arte das Américas

EFE |

O osso fóssil com um rústico desenho de um mastodonte ou mamute em sua superfície, encontrado em Vero Beach, na Flórida, é autêntico, o que transforma a peça a mais antiga das Américas, com pelo menos 13 mil anos de antiguidade. Segundo o artigo publicado no Journal of Archaeological Science , os testes realizados por especialistas da Universidade da Flórida (UFA) e do Museu de História Natural do Museu Smithsonian confirmaram a autenticidade do fóssil e da gravura após diversos e cuidadosos exames.

"Nenhum dos testes foi capaz de demonstrar que o fóssil e a talha são falsos", disse à Agência Efe Barbara Purdy, ex-professora de Antropologia da UFA, que dirigiu a pesquisa. Os cientistas da UFA estimam que a gravura pode remontar à última idade de gelo, milhares de anos antes da construção de Stonehenge, o círculo de grandes blocos de pedra na Inglaterra.

AP
Gravura mostra mamute caminhando e é o mais antigo exemplar de arte da era glacial, apontam pesquisadores

A gravura talhada no osso mostra um mamute caminhando e "é o mais antigo e único exemplo conhecido de arte na era glacial que desenha um proboscídeo ( animais com trompa ) nas Américas", assinalou em comunicado o Smithsonian. A peça foi descoberta em 2006 por James Kennedy, de 39 anos, um colecionador de fósseis amador que encontrou este fragmento em um terreno próximo à jazida arqueológica de Old Vero, onde foram encontrados ossos humanos em escavações realizadas entre 1913 e 1916.

A autenticidade da peça é uma prova irrefutável de que a Flórida esteve habitada por seres humanos na era glacial e que estes conviveram com mamíferos como mastodontes e mamutes. Para Dennis Stanford, antropólogo do Museu de História Natural do Smithsonian, membro da equipe pesquisa, este é um "descobrimento incrível", já que "há centenas de gravuras de proboscídeos em paredes de cavernas ou em ossos na Europa, mas nenhum na América até agora", ressaltou.

O fóssil de 38 centímetros de comprimento corresponde a um fragmento de osso de um animal mamífero, provavelmente um mastodonte ou um mamute, mas não foi possível precisar o diagnóstico devido às condições da peça. Bárbara Purdy apontou que a autenticidade das gravuras tinha despertado "considerável ceticismo" até que foi "examinado exaustivamente" por arqueólogos, paleontólogos, antropólogos e engenheiros. Por causa dos descobrimentos em Old Vero, a cidade de Vero Beach e o condado de Indian River aprovaram uma série de resoluções para proteger a jazida arqueológica. EFE emi/rsd-mw

    Leia tudo sobre: EUAARQUEOLOGIA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG