Cientistas comprovam que aves herdaram olfato dos dinossauros

Primeiros pássaros tinham aproximadamente a mesma capacidade olfativa de um pombo moderno

AFP |

Universidade de Ohio/ AFP
As imagem de crânios em 3D foram usadas para comparar o olfato de um dinossauro (topo), um pássaro extinto e uma ave moderna
Um dinossauro cativante conhecido como Bambiraptor ajudou cientistas a determinar que os pássaros herdaram um bom olfato dos dinossauros - e que melhoraram sua capacidade.

Há muito tempo, existe a ideia de que os pássaros evoluíram a partir de pequenos dinossauros bípedes, ganharam penas, passaram a viver em árvores e depois começaram a voar. O primeiro pássaro identificado foi o Archaeopteryx, que viveu há cerca de 150 milhões de anos.

Uma suposição comum é a de que estas pequenas aves tinham um olfato ruim, já que a pressão evolutiva teria moldado os recursos do cérebro a favor da visão, equilíbrio e coordenação, deixando de lado o olfato.

Mas não é bem assim, de acordo com uma nova pesquisa publicada nesta quarta-feira (13) no periódico científico Proceedings of the Royal Society B.

Pesquisadores do Canadá utilizaram tomografia computadorizada para ter acesso a uma imagem em 3D dos crânios de dinossauros, de pássaros extintos e de aves ainda vivas.

Eles mediram o tamanho médio do bulbo olfativo, a parte do cérebro utilizada para o cheiro. Entre pássaros modernos e mamíferos, um grande bulbo olfativo significa que o olfato é melhor.

As 157 amostras traçaram a linhagem olfativa de pássaros modernos com um grupo de pequenos carnívoros chamados de terópodes, cuja grande família é integada ainda pelo Tiranossauro Rex .

Os primeiros pássaros, segundo o estudo, tinham aproximadamente a mesma capacidade olfativa de um pombo moderno - muito boa e certamente melhor que a esperada.

Então, cerca de 95 milhões de anos atrás, pássaros que eram os ancestrais de aves modernas desenvolveram um olfato ainda melhor.

Incluído nos fósseis desta época encontra-se o Bambiraptor , uma das principais evidências da evolução dos pássaros.

Um animal muito rápido com o tamanho de um cachorro, o Bambiraptor não podia voar, mas seu corpo provavelmente era coberto de penas e seu esqueleto era surpreendentemente similar a pássaros como o papa-léguas.

Ele tinha aproximadamente a capacidade olfativa dos abutres da Turquia e dos albatrozes atuais, que dependem do olfato para se alimentar ou viajar por longas distâncias, segundo os especialistas.

"Nossa descoberta de que os pequenos dinossauros velociraptor, como o Bambiraptor , tinham um olfato tão desenvolvido quanto estes pássaros sugere que o cheiro pode ter desempenhado um papel importante enquanto estes dinossauros caçavam para se alimentar", afirmou Darla Zelenitsky, uma paleontóloga da Universidade de Calgary.

Entre pássaros modernos, o senso olfativo é muito variável, de acordo com a pesquisa.

Aves relativamente primitivas, como patos e flamingos, tem um bulbo olfativo relativamente grande, enquanto pássaros considerados mais inteligentes, como as gralhas, tentilhões e papagaios, têm bulbos menores, provavelmente para compensar sua maior capacidade cerebral.

    Leia tudo sobre: Ciênciaevoluçãodinossaurospássaros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG