Cientistas afirmam que balanço da rede melhora qualidade do sono

Estudo mostrou também que rede fez com que pessoas dormissem mais rápido

AFP |

Uma equipe de cientistas suíços e franceses publicou esta segunda-feira (20) um estudo que sugere que o movimento de vai e vem de uma rede melhora a qualidade do sono e ajuda as pessoas a dormir mais rapidamente.

O estudo incluiu 12 voluntários do sexo masculino que aceitaram tentar tirar uma soneca tanto em uma cama fixa quanto em uma rede, enquanto seus movimentos cerebrais, oculares e musculares foram monitorados por aparelhos.

Getty Images
Não é só a tranquilidade de uma praia deserta, estudo mostrou que balanço da rede ajuda a dormir
As mulheres foram excluídas do estudo, uma vez que o ciclo menstrual pode afetar a monitoração do eletroencefalograma (EEG), informaram os cientistas.

Dois dos 12 homens tiveram que ser descartados da análise final porque o EEG detectou um mau funcionamento em um deles e o outro ficou ansioso demais para dormir no dia em que lhe coube a cama fixa.

Mas os outros 10 indivíduos dormiram mais rapidamente em uma rede do que na cama fixa e sua sesta de 45 minutos foi mais profunda, destacou o estudo publicado no periódico científico Current Biology .

"Observamos uma transição ao sono mais rápida em cada um dos indivíduos que estavam no modo 'rede', um resultado que sustenta a noção intuitiva de que o sono é facilitando quando associado a este procedimento" de vai e vem, disse Michel Muhlethaler, da Universidade de Genebra.

"Surpreendentemente, também observamos um espetacular impulso de certos tipos de oscilações (das ondas cerebrais) relacionadas com o sono", acrescentou.

A etapa de sono intermediária, conhecida como N2, que não inclui rápidos movimentos oculares e geralmente ocorre na transição para um período de sono profundo, foi mais longa na 'cama de balanço'.

"A cama de balanço também teve um efeito prolongado na atividade cerebral, aumentando as oscilações mentais e a irrupção da atividade conhecida como eixos de sono. Estes efeitos são consistentes com uma atividade neuronal mais sincronizada, característica do sono mais profundo", destacou o estudo.

Os pesquisadores esperam examinar se o efeito de balançar é similar em períodos mais prolongados de sono, e averiguar se pode ser utilizado para ajudar pessoas que sofrem de insônia.

    Leia tudo sobre: EUAFrançaSuíçasaúdeciência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG