Choques planetários formaram atmosfera de nitrogênio da lua Titã, em Saturno

Estudo japonês explicaria a peculiaridade da tmosfera da lua de Saturno, mais espessa que o normala

EFE |

NASA/JPL/SSI
Sonda Cassini, da Nasa, capta imagem de tempestade se formando em Titã
A atmosfera de nitrogênio existente no entorno da lua de maior tamanho do planeta Saturno, Titã, poderia ter surgido há 4 bilhões de anos a partir dos choques planetários ocorridos no período do intenso bombardeio tardio, detalha um estudo publicado neste domingo no periódico Nature Geoscience.

A descoberta explicaria a peculiaridade da atmosfera da lua Titã, mais espessa que um corpo planetário de temperatura média.

Leia também:
Saturno tem ondulações em seus anéis
Lua de Saturno tem atmosfera composta de oxigênio e gás carbônico
Ciclone do tamanho da Europa varre Saturno há 5 anos
Cassini faz primeiro mergulho pela aurora de rádio em Saturno
Observe o espaço de dentro da sua casa

Pesquisadores da Universidade de Tóquio dirigidos pelo cientista Yasuhito Sekine investigavam esta formação de nitrogênio na atmosfera de Titã por meio de experiências com uma pistola de raios laser.

Os impactos dos raios laser transformavam amoníaco congelado - formado por três átomos de hidrogênio e um de nitrogênio - em nitrogênio e isso permitiu aos pesquisadores deduzir que Titã poderia ter adquirido sua atmosfera de nitrogênio em processo similar.

Para os estudiosos, se este foi o mecanismo responsável pela formação da atmosfera de Titã, a fonte do nitrogênio dessa lua é diferente da que formou a atmosfera da Terra, que é composta em sua maioria por este mesmo gás.

Em artigo que acompanha o estudo, a professora Catherine Neish da Universidade Johns Hopkins (nos Estados Unidos), afirma que a pesquisa da Universidade de Tóquio propicia com estas hipóteses um marco para futuras pesquisas.

    Leia tudo sobre: sistema solarsaturnotitã

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG