Brasil e EUA firmam acordo para sustentabilidade urbana

Países lançam iniciativa para o desenvolvimento de projetos para a melhora da qualidade do ar e reciclagem de lixo

EFE |

Os governos do Brasil e dos Estados Unidos se comprometeram nesta terça-feira (16) no Rio de Janeiro para desenvolver e impulsionar projetos de sustentabilidade urbana que possam ser adotados como modelo em qualquer cidade do mundo.

"Queremos desenvolver projetos para, por exemplo, melhorar a qualidade do ar e para que a reciclagem de resíduos possa ser adotada não só em cidades dos Estados Unidos e do Brasil, mas em qualquer outra do mundo", declarou em entrevista coletiva a secretária do Meio Ambiente americana, Lisa Jackson.

Lisa participou nesta terça-feira no Rio de Janeiro, junto à ministra do Meio Ambiente brasileira, Izabella Teixeira, no ato do lançamento da Iniciativa Conjunta Brasil-Estados Unidos para a Sustentabilidade Urbana (JIUS, sua sigla em inglês).

A parceria reforça o compromisso com o meio ambiente que foi um dos anunciados durante o encontro que tiveram em março em Brasília os presidentes do Brasil, Dilma Rousseff, e dos Estados Unidos, Barack Obama.

Esta plataforma de ações tem como objetivo impulsionar projetos para oferecer soluções aos principais problemas das cidades e "desenvolver infraestruturas urbanas que promovam o desenvolvimento sustentável com benefícios econômicos, ambientais e sociais".

"Queremos dar uma ênfase especial às cidades porque faz dois anos que a maioria da população mundial vive em áreas urbanas e precisamos aumentar a sustentabilidade urbana", segundo Lisa.

Os projetos impulsionados por ambos os países se centrarão no contexto da qualidade do ar, gestão de resíduos, reciclagem, eficiência energética, construção sustentável, economia de água, meios de transporte e poluição sonora, disse Izabella.

"A ideia é trabalhar em parceria em projetos que possam definir novos padrões para as cidades e que forneçam tecnologia para solucionar os problemas urbanos", afirmou a ministra brasileira.

A cooperação inicialmente envolverá a Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS) e a Fundação Rockefeller dos EUA, cujos técnicos farão um diagnóstico dos problemas urbanos e desenvolverão os projetos que podem ser implantados como solução.

"Apresentaremos nossas propostas para consideração de ambos os Governos que serão os responsáveis por decidir se os iniciam e os financiam", disse o presidente da FBDS, Israel Klabin.

O programa se limitará inicialmente ao Rio de Janeiro (Brasil) e à Filadélfia (EUA), mas a ideia é que os projetos desenvolvidos para ambas as cidades possam servir de exemplo para qualquer outra no mundo.

O Rio de Janeiro foi escolhido por sua condição de sede nos próximos anos de eventos internacionais como a nova Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) em 2012, a Copa das Confederações de 2013, a Copa de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

As ministras salientaram que, "ao aproveitar os investimentos públicos e privados planejados para estes grandes eventos mundiais, servirá de modelo para tomadores de decisão e interessados em oportunidades de investimento e de estratégias que não só atendam as necessidades de tais eventos, mas levem em conta metas de sustentabilidade urbana e gerem benefícios à população".

A iniciativa também prevê uma troca de experiências bem-sucedida para permitir, por exemplo, que a Filadélfia possa assessorar outras cidades na implantação das inovadoras formas desenvolvidas para reciclar lixo.

Veja infográfico do iG sobre a cidade ideal



    Leia tudo sobre: BRASIL EUA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG