Brasil e China vão construir centro de nanotecnologia em Campinas

Governo brasileiro também pretende oficializar com os chineses acordos na área de tecnologia da informação

AE |

selo

O governo brasileiro assinará no fim deste mês um acordo com a Academia Chinesa de Ciências para a construção de um centro de nanotecnologia em Campinas (SP), na Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron (ABTLuS). De acordo com o ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, o projeto demandará investimentos iniciais de R$ 10 milhões, a serem aportados igualitariamente pelos parceiros para a construção da unidade.

Durante viagem ao continente asiático prevista para o final deste mês, Mercadante também deve formalizar outras parcerias com a China. Entre elas está o envio de 200 doutores, estudantes de doutorado e pós-doutores para os centros de pesquisa da Academia China de Ciências. Eles devem participar principalmente de pesquisas nas áreas de nanotecnologia, pesquisas espaciais, energias limpas e biotecnologia. "São áreas que damos prioridade no relacionamento com os chineses", afirmou o ministro, que participou hoje do 4º Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O governo brasileiro também pretende oficializar com os chineses acordos na área de tecnologia da informação, especialmente computação em nuvem, e na área de energias fotovoltaicas, solares e eólicas. "Já acertamos um amplo programa de colaboração com a Academia Chinesa de Ciências, além de outros que já tínhamos estabelecido", afirmou Mercadante, após reunião com o presidente da entidade chinesa.

Com a assinatura dos novos acordos, o Brasil também estreitará a relação com a China no âmbito de pesquisas espaciais. Os países já são parceiros no lançamento de satélites, caso do Sibers 3, previsto para 2012. "Vamos expandir nossa parceria na área espacial com a China, agora não só com a agência espacial chinesa, mas também com a Academia Chinesa de Ciências", disse. Outro acordo a ser detalhado na viagem à Ásia seria a assinatura de um entendimento na área de pesquisas sobre mudanças climáticas e prevenção de desastres naturais.

Mercadante também deverá abordar durante a viagem a preocupação do governo brasileiro em estimular a produção de equipamentos como semicondutores, tablets e notebooks em território nacional. Entre os encontros previstos, revelou Mercadante, estão visitas à Samsung e à LG.

O projeto da Foxconn de construir uma fábrica no Brasil também poderá ser tema de conversações. Segundo o ministro, a previsão é de que a produção na unidade instalada no interior de São Paulo tenha início no próximo mês. "A produção do iPhone deve ser iniciada em setembro e, logo a seguir, a de iPad", disse Mercadante.

    Leia tudo sobre: nanotecnologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG