Os pesquisadores americanos foram premiados com o Príncipe de Astúrias de Pesquisa Científica

Os bioquímicos americanos David Julius e Linda Watkins e o israelense Baruch Minke, considerados referências mundiais na neurobiologia por sua contribuição à luta contra a dor, foram agraciados nesta quarta-feira com o prêmio Príncipe de Astúrias de Pesquisa Científica e Técnica 2010.

Por meio dessas pesquisas, os premiados descobriram as causas e mecanismos pelos quais é percebida a dor e outras sensações como o frio, calor e gosto.

O júri destacou que seus trabalhos permitem "uma compreensão mais profunda das bases celulares e moleculares das diferentes sensações, especialmente a do dor".

Esses trabalhos abrem vias esperançosas para atenuar um mal que afeta a qualidade de vida de milhões de pessoas "e que foi, desde sempre, um dos grandes desafios enfrentados pela medicina", acrescentou o júri em sua avaliação.

O prêmio inclui um aporte de 50 mil euros (US$ 61,9 mil) e a reprodução de uma estatueta desenhada por Joan Miró.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.