Avião movido a energia solar completa quase 14 dias de voo

A aeronave não-tripulada sobrevoou sem pausas por 336 horas e 24 minutos a uma altura de até 18 mil metros

EFE |

EFE
Técnicos avaliam avião que opera com energia solar, depois de mais de 336 horas de voo
O avião não-tripulado Zephyr, movido a energia solar, pousou hoje após mais de 336 horas de voo ininterrupto sobre uma base militar dos Estados Unidos no estado do Arizona, informou um porta-voz militar.

O Zephyr, que havia iniciado seu voo no dia 9 de julho, às 10h40 (horário de Brasília), retornou a solo no Campo de Testes do Exército americano em Yuma, Arizona, às 11h07 (de Brasília), indicou Yoli Canales, porta-voz da base militar.

Pesando cerca de 50 quilos com envergadura de 22,5 metros, a aeronave sobrevoou sem pausas até hoje a uma altura de 18 mil metros durante o dia e de 12 mil metros durante a noite.

Segundo a empresa fabricante QinetiQ, a duração do voo do Zephyr foi de 336 horas e 24 minutos. O avião bateu todos os recordes mundiais de duração de voo e quadruplicou seu próprio recorde, extra-oficial, de 82 horas e 37 minutos, estabelecido em 2008.

O recorde mundial oficial até então para o voo mais prolongado de uma aeronave sem tripulação é o estabelecido em 22 de março de 2001 pelo RQ-4A Global Hawk, da Northrop Grumman, com 30 horas e 24 minutos.

O Zephyr, lançado ao ar com a propulsão facilitada por cinco homens, continuou voando com energia solar que se obtém de painéis solares de silicone e que cobrem as asas do avião.

Os mesmos painéis recarregam baterias de lítio e enxofre e estas dão energia para a operação durante a noite. O modelo que sobrevoou o Campo Yuma é quase 50% maior que seu antecessor, de modo que pode acomodar mais baterias e um sistema melhorado para o manejo da energia.

    Leia tudo sobre: aviãoenergia solar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG