Atmosfera de Plutão está se expandindo, mostra estudo

Aproximação do Sol faz com que gelo na superfície do planeta-anão se transforme em gás, engrossando a atmosfera

iG São Paulo |

Divulgação
Plutão, o planeta-anão, aparece na ilustração com sua atmosfera expandida e sua maior lua, Caronte
Uma equipe de astrônomos descobriu um aumento na quantidade de monóxido de carbono na atmosfera do planeta Plutão, depois de uma busca que durou quase 20 anos. A líder do grupo, Jane Greaves, da Universidade de St. Andrews, apresenta o resultado nesta quarta-feira, 20, na reunião da Royal Astronomical Society.

Descoberto em 1930 e considerado, durante décadas, o nono planeta do Sistema Solar, desde 2006 Plutão passou a ser classificado como “planeta-anão”. Ele é o único membro da categoria a ter uma atmosfera, descoberta em 1988, quando o invólucro de gás fez diminuir o brilho de uma estrela que passava por trás do astro.

Os novos resultados, obtidos por meio de um telescópio baseado no Havaí, revelam uma intensificação dos sinais de monóxido de carbono. Antes, supunha-se que a atmosfera de Plutão tivesse, no máximo, 100 km de extensão, mas as novas observações elevam essa altitude a mais de 3.000 km, ou 25% da distância entre Plutão e sua maior lua, Caronte.

O gás é extremamente frio, com uma temperatura de cerca de -220º C. O sinal de monóxido detectado pelo grupo britânico mostrou-se mais de duas vezes mais intenso que o obtido anteriormente por uma equipe espanhola.

“Acreditamos que a atmosfera pode ter crescido, ou a abundância de monóxido de carbono, aumentado”, disse Jane, por meio de nota.

O metano, único outro gás já identificado no planeta-anão, também teve variações de abundância. Em 1989, Plutão teve sua aproximação máxima do Sol. Este foi um evento recente, se visto em relação à duração da órbita do astro, de 248 anos.

Os gases da atmosfera provavelmente se formam à medida que o Sol aquece o gelo depositado na superfície. Essa é possivelmente a atmosfera mais frágil de todo o Sistema Solar, já que boa parte dela deve acabar dissipando-se pelo espaço.

    Leia tudo sobre: astronomiaplutão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG