Fragmentos de dióxido de carbono congelado encontrados na região do polo sul do planeta vermelho evidenciaram o fato

Feito tatuagem: imagem captada em 2007 mostra cratera de Marte coberta em algumas períodos por dióxido de carbono congelado ou na forma de gás
Nasa
Feito tatuagem: imagem captada em 2007 mostra cratera de Marte coberta em algumas períodos por dióxido de carbono congelado ou na forma de gás
Cientistas americanos descobriram que a atmosfera de Marte pode ter sido mais densa do que é atualmente e contido água em estado líquido, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira (21) na no periódico científico "Science".

O estudo revela que a atmosfera do planeta vermelho já foi muito mais densa no passado.

Os fragmentos de gelo seco (dióxido de carbono congelado) encontrados na região do polo sul de Marte evidenciaram esse fato.

Os pesquisadores, liderados pelo professor Roger J. Phillips, analisaram as medições do radar do orbitador de reconhecimento da Nasa (Mars Reconnaissance Orbiter) para calcular a profundidade e a densidade dos depósitos de gelo seco.

Estudos prévios tinham sugerido que o polo sul de Marte estava quase completamente formado por água e que o gelo seco só cobria a camada superior.

No entanto, suas medições revelam que poderia haver grandes quantidades de dióxido de carbono atmosférico em pedaços de gelo seco.

Estas novas descobertas apontam para a evidência de que o polo sul abriga 30 vezes mais gelo seco do que se pensava anteriormente.

Os resultados se somam a uma série de estudos realizados recentemente que sugerem que no passado Marte teve uma atmosfera mais densa, cheia de dióxido de carbono e água.

Estes depósitos de gelo seco podem ser cruciais para ajudar os cientistas a entenderem a evolução da atmosfera de Marte.

Os autores do estudo revelam que durante os períodos de alta inclinação polar, a maioria do dióxido de carbono congelado poderia ter derretido e ter sido liberada para a atmosfera.

Quando o eixo de Marte se inclina, seus pólos recebem luz solar suficiente para descongelar qualquer gelo.

O dióxido de carbono liberado teria tornado a atmosfera mais densa, devido à formação de frequentes e intensas tempestades de pó, e teria permitido que a água líquida permanecesse sem ferver em mais regiões da superfície marciana, apontam os pesquisadores.

O Mars Reconnaissance Orbiter gira em torno do planeta vermelho como complemento do trabalho realizado pelos robôs Spirit e Opportunity.

Ele foi lançado em 12 de agosto de 2005 com o objetivo de estudar a distribuição de água e minerais em Marte, assim como suas características geológicas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.