Atlantis encerra sua última caminhada espacial

Os astronautas trocaram as baterias dos painéis solares da ISS

EFE |

NASA
O astronauta Michael Good faz reparos na Estação Espacial na última caminhada da missão do Atlantis
Os astronautas americanos Michael Good e Garrett Reisman retornaram à Estação Espacial Internacional (ISS) após quase sete horas de trabalhos na última missão do ônibus espacial Atlantis ao complexo orbital.

Segundo a Nasa, Reisman e Good haviam deixado o módulo Quest às 7h27 e retornaram à ISS às 14h13 (ambos horários de Brasília), o que significa a terceira e última caminhada espacial dessa missão.

Os 'mecânicos espaciais' completaram, assim, a instalação das duas últimas baterias entre as seis instaladas no eixo dos painéis de energia solar ao redor do complexo, que orbita a 27 mil km/h e a cerca de 400 quilômetros de distância da Terra.

As baterias da ISS, cada uma das quais avaliadas em US$ 3,6 milhões, armazenam a eletricidade gerada pelos vastos painéis solares, medem quase um metro cúbico e pesam 170 quilos cada uma. As outras quatro que completam o equipamento foram instaladas na rodada de trabalhos externos realizada na quarta-feira na ISS que, segundo se espera, permanecerá em serviço pelo menos até 2020.

As baterias velhas, instaladas originalmente há dez anos, estão agora no veículo de carga colocado em uma base móvel, que amanhã será devolvida ao Atlantis, cujo retorno definitivo ao Centro Espacial Kennedy, no sul da Flórida, está programado para a próxima quarta-feira.

Hoje, ao longo do dia, os astronautas instalaram um cabo de apoio no sistema de refrigeração por amônia entre dois pontos da viga principal da ISS. Tal projeto contou com um investimento de US$ 100 bilhões, do qual participam 16 nações. Ao todo, os trabalhos externos desta missão duraram 21 horas e 20 minutos em três dias, indicou a Nasa.

Esta foi a 239ª excursão espacial realizada por astronautas americanos, a quarta de Good e a terceira de Reisman. Também foi o 146º dia de trabalhos externos em apoio à construção e à manutenção da ISS, que somam ao todo 914 horas e 53 minutos.

Enquanto Good e Reisman trabalharam do lado de fora do complexo orbital, o piloto Tony Antonelli e o especialista de missão Steve Bowen contribuíram com as tarefas do dentro da ISS e a engenheira tripulante da estação Tracy Caldwell Dyson operou o braço robótico.

O comandante do Atlantis, Ken Ham, supervisionou todas as atividades. Ele esteve a cargo das tarefas de transferência de equipamentos e provisões da nave até a estação.

Antonelli pediu diversas vezes a Good e Reisman que posassem para fotografias, pois estas serão as últimas das janelas do ônibus espacial Atlantis.

Esta é a 32ª missão espacial do "Atlantis" e a 132ª realizada pelas naves desde o início de seu serviço, em abril de 1981. Mas a primeira missão do Atlantis no espaço seria somente quatro anos depois, em outubro de 1985.

Até o fim do ano, a Nasa planeja aposentar as três naves que restam e se concentrará em programas de tecnologia e prospecção mais ambiciosos, entre os quais uma visita de astronautas a um asteróide e, eventualmente, a Marte.

De qualquer maneira, o Atlantis estará preparado como nave de socorro quando o Endeavour realizar a última missão no final de novembro. Os tripulantes do Atlantis se prepararão agora para deixar a ISS. No sábado, eles levarão o veículo de carga ao ônibus espacial usando o braço robótico da estação. No domingo, eles pretendem soltar as amarras da nave.

    Leia tudo sobre: ônibus espaciaisNasaEstação Espacial

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG