Astrônomos descobrem "El Gordo", o maior aglomerado de galáxias longínquo

Aglomerado tem mais massa e é mais quente que qualquer outro já observado

iG São Paulo |

Nasa/ESO
El Gordo: na imagem, uma composição do que seria o maior aglomerado de galáxias longínquo
Astrônomos deram o apelido de "El Gordo" ao maior aglomerado de galáxias  já observado no universo longínquo.  O aglomerado de galáxias extremamente quente e de massa elevada foi descoberto por uma equipe internacional de astrônomos que usaram dados do Very Large Telescope (VLT,) do Observatório Europeu do Sul (ESO), e do telescópio de raio-x Chandra, da Nasa.

A equipe, liderada por astrônomos chilenos e da Universidade Rutgers, descobriu "El Gordo" ao detectar uma distorção da radiação cósmica. O brilho tênue seria o resto da primeira radiação vinda do Big Bang, explosão que deu origem do universo, muito densa e extremamente quente há cerca de 13,7 bilhões de anos.

Esta radiação que resta do Big Bang interage com os elétrons do gás quente dos aglomerados de galáxias, distorcendo a aparência do brilho de fundo de microondas visto a partir da Terra. Quanto maior e mais denso for o aglomerado, maior será este efeito.

“Este aglomerado tem mais massa, é mais quente e emite mais raios-X do que qualquer outro aglomerado encontrado a esta distância ou a distâncias ainda maiores,” disse Felipe Menanteau da Universidade Rutgers, que liderou o estudo apresentado hoje (10) no Encontro da Sociedade Astronômica Americana, realizado em Austin, Texas.

Leia mais:
Fenômeno espacial 'estranho' é revelado por astrônomos do Brasil
Astrônomos descobrem estrelas nascidas logo após o Big Bang
Telescópio detecta 96 novos aglomerados estelares
Astrônomos afirmam ter descoberto galáxia mais distante

O aglomerado é composto por dois sub-aglomerados separados de galáxias em colisão com uma velocidade de vários milhões de quilômetros por hora, e que se encontram tão afastados de nós que a sua luz teve que viajar durante sete bilhões de anos para chegar até à Terra.

Os aglomerados de galáxias são os maiores objetos mantidos pela força da gravidade que existem no universo. O processo da sua formação, a partir de grupos de galáxias menores que se fundem, depende da quantidade de matéria escura do universo naquele momento.

“Aglomerados de galáxias gigantescos como este são exatamente o que estávamos procurando,” disse o membro da equipe Jack Hughes, da Universidade Rutgers. “Queremos ver se conseguimos compreender como se formam estes objetos tão extremos, utilizando os melhores modelos cosmológicos disponíveis hoje em dia.”

    Leia tudo sobre: espaçoaglomerado de galáxias

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG