Astronautas podem sofrer problemas cerebrais após viagens longas

Imagens de ressonância magnética mostraram que maioria apresenta complicações por pressão intracraniana

AFP |

Nasa
Gravidade zero: cerca de 15% dos astronautas analisados sofreram abaulamento do nervo óptico e 11% apresentaram alterações na glândula pituitária
Problemas no cérebro e nos olhos vieram à tona em astronautas que passaram mais de um mês no espaço, marcando um potencial revés para os planos de realizar missões espaciais mais longas e profundas, segundo um estudo americano divulgado nesta terça-feira.

A pesquisa no Journal Radiology analisou imagens de ressonância magnética de 27 astronautas que passaram uma média de 108 dias no espaço, tanto em missões em ônibus espaciais quanto a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS).

Missões de ônibus espaciais duram normalmente duas semanas, enquanto as passagens pela ISS podem levar mais de seis meses. Uma missão em Marte para levar astronautas ao planeta vermelho nas próximas décadas pode demorar um ano e meio.

Dentre os astronautas que viveram mais de um mês no espaço durante a vida, os pesquisadores encontraram uma variedade de complicações que parecem similares a uma síndrome causada por uma pressão inexplicada no cérebro.

Estes sintomas incluem fluído cérebro-espinhal em excesso ao redor do nervo óptico em 33% dos astronautas estudados e achatamento da parte de trás do globo ocular em 22% deles.

Leia mais:
Astronauta volta à Terra com musculatura de uma pessoa de 80 anos
Nasa recebe mais de 3 mil inscrições para seleção de astronauta

Cerca de 15% sofreram um abaulamento do nervo óptico e 11% apresentaram alterações na glândula pituitária - que se localiza entre os nervos óticos, secretando hormônios sexuais e regulando a tireóide - e em sua conexão com o cérebro.

Efeitos similares, que podem levar a problemas de visão, foram observados em viajantes não-espaciais que sofrem de uma acumulação de pressão inexplicável no cérebro, uma condição conhecida como hipertensão intracraniana.

Saiba mais:
Conheça os ônibus espaciais
Como voa um ônibus espacial
Com que roupa se vai para o espaço

"Hipertensão intracraniana induzida por microgravidade representa um fator de risco hipotético e uma limitação especial para viagens espaciais de longa duração", informou o principal autor do estudo, Larry Kramer, professor de diagnóstico e de intervenções na Escola de Medicina da Universidade do Texas, em Houston.

"A análise dos dados da ressonância magnética revelou várias combinações de anormalidades seguindo exposições à microgravidade tanto no curto prazo quanto no longo prazo, também vistas (em pessoas com) hipertensão intracraniana idiopática".

Enquanto perda de massa óssea, dores musculares temporárias e anormalidades nos nervos já eram conhecidas por atingir astronautas no passado, os novos dados relacionados a problemas nos olhos preocuparam muitos na Nasa em relação à saúde de seus membros enviados ao espaço.

Veja notícias sobre o fim dos ônibus espaciais:
Atlantis é lançada em sua missão final
Cronologia: os 30 anos do ônibus espacial
Porque os ônibus espaciais foram aposentados?
Análise: o legado dos ônibus espaciais
Conheça "Os Últimos Quatro" que pilotam o Atlantis
Ônibus espacial transporta experimento de brasileiro

"A Nasa colocou este problema no topo de sua lista de riscos humanos, iniciou um programa abrangente para estudar seus mecanismos e implicações e continuará monitorando de perto a situação", disse William Tarver, chefe de medicina clínica de voo no Centro Espacial Johnson, da Nasa.

Ele ressaltou que as descobertas são suspeitas, mas não conclusivas sobre a hipertensão intracraniana, e disse que nenhum astronauta se tornou inelegível para futuros voos espaciais como resultado dos estudos.

    Leia tudo sobre: espaçoasutronaitacérebro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG