Astronautas instalam detector de partículas na ISS

Equipamento vai rastrear o Universo durante a próxima década em busca de pistas sobre a matéria escura e a antimatéria

iG São Paulo |

Os astronautas do ônibus espacial Endeavour instalaram um detector de partículas na Estação Espacial Internacional (ISS) nesta quinta-feira (19), quarto dia de um total de 16 de sua missão.

Os astronautas instalaram no laboratório orbital o 'Alpha Magnetic Spectrometer-2' (AMS-2), um detector de partículas de 2 bilhões de dólares e 7.000 kg.

"O Espectrômetro Magnético Alfa (AMS, na sigla em inglês) já começou a obter informações", informou a Nasa em comunicado, conforme as agências russas.

O projeto ficará na ISS para investigar o espaço durante a próxima década em busca de pistas sobre a matéria escura e a antimatéria.

"Os especialistas Andrew Feustel e Roberto Vittori usaram o braço robótico da nave para retirá-lo" e passá-lo para o braço da ISS, acrescentou.

O sofisticado ímã detector de partículas, que será parte da plataforma orbital pelos próximos dez anos, deveria medir as propriedades da radiação cósmica e contribuir para conhecer melhor como foi formado o universo.

Um dos desafios do AMS é determinar se no cosmos existem restos da antimatéria primária que, de acordo com a teoria do Big Bang, deveria fazer parte da origem do Universo.

Atualmente, apenas é possível explicar 5% da matéria-energia do Universo, enquanto que aproximadamente 20% correspondem a um misterioso tipo de matéria que não emite nem absorve radiação eletromagnética, e por isso é chamado de matéria escura.

E os 75% restantes, chamado de energia escura, seria uma forma de energia da natureza ainda mais misteriosa, uma força repulsiva responsável pela expansão acelerada do Universo.

O espectrômetro deverá fornecer informações valiosas sobre doses de radiação às quais estariam expostas as tripulações de futuras viagens interplanetárias.

Enquanto os astronautas instalavam o espectrômetro, funcionários da Nasa em terra controlam o revestimento térmico do Endeavour, já que várias placas isolantes podem ter ficado danificadas durante o lançamento na segunda-feira (16).

 Apesar da operação, a agência espacial americana disse que não há motivos para preocupação: "não temos nenhuma razão para nos preocupar ou nos alarmar", disse Leroy Cain, responsável pelo programa do ônibus espacial. 

Vários gráficos que representam as placas danificadas na parte inferior da nave foram divulgados em uma conferência de imprensa, ao final do terceiro dia da missão do ônibus espacial.

Os astronautas conseguiram tirar fotografias de alta resolução do exterior do ônibus espacial quando se aproximava da Estação Espacial Internacional nesta quarta-feira.

A tripulação está equipada com kits para reparar as placas danificadas. Os engenheiros da missão saberão nos próximos dias os passos a seguir, explicou Cain.

(Com informações da AFP e da EFE)

    Leia tudo sobre: EUAespaçoNasaItália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG