Assistir filmes violentos coloca cérebro em modo de sobrevivência

Pesquisadores descobriram que o estresse sentido ao assistir filmes de violência altera conexões cerebrais

Alessandro Greco, especial para o iG |

Getty Images
Cenas violentas provocam uma redistribuição estratégica de recursos para áreas cerebrais ligadas a funções relacionadas a sobrevivência
O cinema também pode mudar a forma como o nosso cérebro funciona.O estresse sentido ao assistir filmes violentos, por exempo, muda funções cerebrais afirma grupo de pesquisadores, liderado por Erno Hermans, da Universidade de Universidade Nijmegen Radboud, na Holanda.

Em trabalho publicado nesta quinta-feira (24) no periódico científico Science pesquisadores demostraram que cenas violentas alteram as conexões entre diferentes regiões do cérebro. Eles fizeram um experimento no qual mostravam dois tipos de cenas de filmes (violentos e não violentos) a várias pessoas e analisaram as respostas do cérebro às imagens utilizando uma tecnologia de chamada ressonância magnética funcional que permite enxergar quais áreas do cérebro estão sendo ativadas em um determinado momento.

Leia também:
Estudo vincula Facebook a alterações em estrutura cerebral
Identificadas regiões do cérebro que adquirem e respondem ao medo
Estudo indica que imagens violentas podem dessensibilizar jovens
Aprender a ler e escrever muda funcionamento do cérebro
Estimular cérebro com eletricidade acelera aprendizado, diz estudo

Os pesquisadores viram que há uma redistribuição estratégica de recursos para áreas cerebrais ligadas a funções relacionadas a sobrevivência. Eles inclusive conseguiram identificar que um hormônio relacionado ao estresse, a noradrenalina parece ser o responsável por essa reorganização cerebral. “Mostramos que a atividade da noradrenalina [..] na primeira fase da resposta ao estresse leva a uma realocação dos recursos neurais em direção a uma rede distribuída de regiões cerebrais envolvidas na atenção, vigilância e controle neuroendócrino”, afirmam os pesquisadores no artigo.

(Com Denise Barros)

    Leia tudo sobre: cérebrocinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG