Apatossauros: gigantesca eficiência

Como esses dinossauros, conhecidos antigamente como brontossauros, chegaram a ser os maiores animais terrestres do mundo

The New York Times |

Getty Images
Pescoços longos, cabeças pequenas e sistemas respiratórios eficientes permitiram a sobrevivência destes grandes dinossauros



O que aconteceu nos períodos Jurássico e Cretáceo para permitir a sobrevivência dos maiores animais terrestres já conhecidos, como o brontossauro?

O brontossauro, hoje adequadamente chamado de apatossauro, e as outras grandes espécies saurópodes se beneficiaram de uma interação complexa de disponibilidade de recursos e características físicas evoluídas, de acordo com um artigo que apareceu online na edição de abril da “Biological Reviews”, publicada pela Cambridge Philosophical Society.

A herança genética do dinossauro e as inovações evolucionárias “deflagraram uma cascata evolucionária memorável”, disse o artigo. A inovação mais importante, como sugeriu o estudo, provavelmente foi o pescoço longo, que “tornou acessíveis os alimentos que estavam fora do alcance de outros herbívoros”.

O pescoço longo só poderia evoluir por causa da cabeça pequena das criaturas, aliviando a carga no pescoço, e a cabeça pequena foi possível porque o alimento era ingerido sem ser mastigado, mas retido por longos períodos para digestão.

Os grandes dinossauros também parecem ter retido sistemas respiratórios altamente dispersos, estilo aviário, que exigem menos energia para respiração e, além disso, podem ter ajudado a resfriar criaturas tão grandes. O próprio tamanho era uma vantagem na sobrevivência, protegendo-os de predadores, por exemplo. Outra vantagem era um sistema reprodutivo ovíparo, com muitos filhotes pequenos nascendo, mas apenas poucos sobrevivendo até chegar à fase adulta.

    Leia tudo sobre: paleontologiadinossaurosapatossauros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG