Tamanho do texto

Um dos principais cientistas da contemporaneidade, Stephen Hawking morreu nesta quarta-feira (14) e deixou um grande legado científico

O britânico Stephen Hawking dedicou boa parte de sua vida aos estudos da astronomia, fazendo grande descobertas
Divulgação
O britânico Stephen Hawking dedicou boa parte de sua vida aos estudos da astronomia, fazendo grande descobertas


O físico Stephen Hawking, um dos maiores cientistas da atualidade, morreu nesta quarta-feira (14) aos 76 anos. O britânico deixou grandes contribuições à ciência – principalmente no ramo da astronomia – ao estudar os mecanismos dos buracos negros e, além disso, o surgimento e funcionamento das galáxias e do nosso universo.

Leia também: Tempestade solar pode atingir planeta Terra nesta quarta; descubra os efeitos

Relembre o legado e principais descobertas científicas de Stephen Hawking , que dialogavam com os trabalhos de Albert Einstein e Isaac Newton e revolucionaram a forma como pensamos a astronomia.

Singularidades gravitacionais

Durante seu doutorado na Universidade de Cambridge, no Reino Unido, Hawking trabalhou junto do matemático Roger Penrose para compreender o conceito da chamada “singularidade”, ou seja, de que um massivo objeto poderia entrar em colapso em sua própria gravidade, se transformando em uma partícula de densidade infinita.

De acordo com o The Guardian , sua atração gravitacional seria tão forte que nem mesmo a luz poderia escapar. Assim, Penrose e Hawking aplicaram a ideia de que as singularidades formariam buracos negros para mostrar que a Teoria da Gravidade, de Einstein, previa uma singularidade específica em um passado distante: o Big Bang.

“Radiação Hawking” e o desaparecimento de buracos negros

No final da década de 1970, o físico passou a se dedicar ao estudo dos buracos negros e declarou que eles só poderiam ficar maiores, e nunca diminuírem. A matemática por trás da ideia vem de uma das leis fundamentais da natureza, que diz que a entropia – uma medida de grau de desordem – também só pode aumentar.

Quando foi anunciado, pelo também físico Jacob Bekenstein, que a área de um buraco negro é a medida de sua entropia, a comunidade científica passou a investigar uma nova questão. Até então, acreditava-se que os buracos negros só poderiam absorver matéria, nunca deixando nada “escapar”. Porém, para que tenha entropia, seria necessário que também fosse quente e irradiasse tal calor.

Leia também: Nasa desvenda mistérios sobre o turbulento interior de Júpiter e seus 'ciclones'

Stephen Hawking deixou um grande legado em relação aos estudos astronômicos, especialmente dos buracos negros
shutterstock
Stephen Hawking deixou um grande legado em relação aos estudos astronômicos, especialmente dos buracos negros

Hawking começou a estudar para provar que Berkenstein estava errado em sua teoria, porém, seu trabalho comprovou as ideias do físico e consolidou uma das maiores descobertas de sua carreira. Os buracos negros teriam sim uma temperatura, assim como irradiariam calor, a chamada “Radiação Hawking”, e também poderiam simplesmente desaparecer com o passar do tempo. A ideia indicaria uma eterna perda de toda a informação “absorvida” pelo buraco negro, algo que move acalorados debates astronômicos até hoje.

Inflação cósmica

Tanto na divulgação quanto na pesquisa das ideias sobre a inflação cósmica – a teoria de que o espaço passou por um período de rápido crescimento logo após o Big Bang – contaram com grande contribuição de Hawking. Em meados de 1980, ele foi um dos primeiros, segundo o The Guardian , a mostrar como a flutuações quânticas, minúsculas variações na distribuição da matéria, durante o crescimento podem causar a propagação de galáxias por todo o universo.

Leia também: Com o dobro da idade do Sol, estrela que "não deveria existir mais" é descoberta

Função de onda do universo

Segundo a  BBC News , Stephen Hawking e o também físico James Hartle trabalharam, durante a década de 1980, para tentar descrever toda a história do cosmos em uma única expressão matemática . Chamada de "função de onda do universo", ela sugere que o universo não tem uma origem e seria capaz, em teoria, de calcular todas as propriedades do espaço ao nosso redor.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.