Tamanho do texto

Cientistas da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA afirmaram que ventos solares podem enfraquecer rede elétrica e comprometer voos comerciais devido ao choque de partículas com a Terra

Chegada da tempestade solar coincide com a formação de
Reprodução/Nasa
Chegada da tempestade solar coincide com a formação de "rachaduras de equinócios" no campo magnético da Terra

Uma tempestade solar está prevista para atingir o planeta Terra na quarta-feira (14), após uma explosão de radiação ter sido liberada pelo Sol na última semana. De acordo com o Daily Mail , o evento pode saturar satélites, interromper fontes de energia na Inglaterra, Estados Unidos e na Escócia, além de provocar exibições deslumbrantes das auroras boreais e austrais.

Leia também: Astrônomos encontram "Super-Terra" com grande chance de abrigar vida alienígena

A chegada da tempestade solar coincide com a formação de "rachaduras" de equinócios no campo magnético da Terra, o que, segundo cientistas, ocorre em 20 de março e 23 de setembro, anualmente.

O que pode acontecer?

Enfraquecendo a proteção natural do nosso planeta contra partículas carregadas, essas “rachaduras” podem ameaçar os voos comerciais e os sistemas GPS por afetar a órbita terrestre, exposta aos ventos que variam de intensidade.

Leia também: Pinguins-imperadores encontram câmera na Antártida e fazem 'selfie'

Entretanto, as fissuras também possibilitam que astrônomos identifiquem mais facilmente as luzes em regiões polares. No mundo animal, as tempestades ainda podem “confundir” o sistema de localização de alguns mamíferos marinhos, o que aumenta a aparição dos animais nas praias.

Por meio de um comunicado oficial, a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) dos Estados Unidos expôs que "o relógio que monitora as tempestades geomagnéticas de pequenos impactos está apontando que esses eventos devem ocorrer entre 14 e 15 de março, e que não prejudicará os seres humanos”.

Estimativas realizadas pela agência espacial americana (Nasa) mostraram que de acordo com a escala desse fenômeno, que vai de G, para tempestades fracas, R para moderadas e S para tempestades poderosas, o evento esperado amanhã provavelmente ficará entre G-1 e G-2, dependendo de como as partículas atingirem a atmosfera terrestre.

Leia também: Com o dobro da idade do Sol, estrela que "não deveria existir mais" é descoberta

A Nasa e a NOAA, que já monitoram esses eventos por meio de diferentes telescópios  e sondas usadas para previsões meteorológicas geomagnéticas, afirmam que estudos estão sendo feitos acerca da estrutura e da diversidade das chamas do Sol. A Nasa informa que, em breve, uma espaçonave apelidada de Parker Solar Probe será enviada para percorrer as proximidades e a superfície da estrela, com o objetivo de descobrir mais informações sobre a tempestade solar e como suas partículas são expelidas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.