Tamanho do texto

Novo estudo objetiva desvendar o desaparecimento da água e se há possibilidade de vida extraterrestre em Marte; cientistas usarão telescópio James Webb, essencial para a comparação das fases do planeta vermelho

Segundo Nasa, objetivo do estudo é descobrir o porque Marte passou de um planeta cheio de vida para o que é atualmente
Reprodução/Nasa
Segundo Nasa, objetivo do estudo é descobrir o porque Marte passou de um planeta cheio de vida para o que é atualmente

Diversos pesquisadores acreditam que, no início da história do sistema solar, Marte era um planeta oceânico e repleto de vida alienígena, bem diferente dos dias atuais, em que se mostra um corpo celeste árido e sem ar respirável devido à forte atmosfera de dióxido de carbono. Buscando resgatar as origens e descobrir o motivo da mudança drástica no "planeta vermelho", a Agência Espacial Americana (Nasa) comunicou que está trabalhando em mais uma missão.

Leia também: Caramujo é visto devorando caravela-portuguesa em vídeo impressionante; assista

De acordo com a Nasa , o objetivo do estudo é descobrir por que Marte passou de um planeta cheio de vida para o que é atualmente. A equipe revelou que contará com o auxílio de um novo telescópio, que será essencial para a comparação entre passado e presente do planeta.

Os cientistas expuseram que o Telescópio Espacial James Webb deve se tornar um pioneiro, como o conhecido telescópio Hubble-Hubble. "Estamos ansiosos para as imagens que Webb fará de Marte. As expectativas são altas tanto para os registros quanto para as potenciais descobertas”, disse o diretor do departamento de Divisão de Ciências Planetárias da Nasa, Jim Green.

Segundo o comunicado divulgado pela equipe na quarta-feira (21), compreender o desaparecimento da água em Marte é um ponto crucial para avançar nas pesquisas e entender se existiu algum tipo de vida na superfície marciana. Para eles, se houver água como o estimado, é possível que organismos e seres extraterrestres estejam se proliferando neste exato momento.

Leia também: Pela primeira vez, cientistas flagram "donut espacial" em torno de buraco negro

"Embora a maior parte da água em Marte esteja congelada, ainda há a probabilidade de encontrá-la líquida, principalmente em aquíferos subterrâneos. Esses reservatórios podem até conter vida”, sugeriram.

Outras descobertas

Imagens mostram a nave Phoenix coberta por uma grossa camada de poeira, quase não dando para ser identificada
Reprodução/Nasa
Imagens mostram a nave Phoenix coberta por uma grossa camada de poeira, quase não dando para ser identificada

Vale mencionar que, também na quarta-feira, a agência revelou ter encontrado uma nave espacial enviada ao planeta vermelho há mais de uma década. Eles afirmaram que a espécie de veículo apelidado de Sonda Phoenix passou três meses funcionando no planeta, até que veio a congelar.

Leia também: Elite peruana pré-Inca moldava cabeças de bebês para possuírem "crânio alien"

Imagens divulgadas pela Nasa mostram a nave coberta por uma grossa camada de poeira,  que dificulta sua identificação. Segundo os cientistas, é importante evidenciar que a espaçonave não estava perdida. “Nós sabíamos de seu paradeiro o tempo todo. A Phoenix funcionava com energia solar, quando o inverno tomou conta de Marte, já era previsto que não conseguiria manter-se funcionando. É um caso bem diferente da Beagle II, que desapareceu no espaço em 2003 e só foi achada 12 anos depois, concluíram.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.