Tamanho do texto

Segundo estudos, a Chimerarachne mistura características antigas e modernas, e pode ter deixado muitos descendentes em Mianmar, na Ásia

Aranha com cauda de escorpião foi nomeada de Chimerarachne,em homenagem a Quimera,híbrido da mitologia grega
Reprodução/Kansas University
Aranha com cauda de escorpião foi nomeada de Chimerarachne,em homenagem a Quimera,híbrido da mitologia grega

O fóssil de uma aranha com cauda de escorpião, conservado em âmbar por 100 milhões de anos, foi encontrado na Ásia. De acordo com cientistas, a descoberta está ajudando nos estudos sobre as origens das aranhas, evidenciando a existência de possíveis descendentes nas florestas tropicais do sudeste asiático.

Leia também: Pesquisadores descobrem 'megalópole' da civilização maia escondida na selva

Estudiosos da Universidade de Kansas, nos Estados Unidos, juntamente de pesquisadores da China, Alemanha e Reino Unido, também acharam outros três fósseis em perfeito estado de conservação.  Eles nomearam a aranha com cauda de escorpião de  Chimerarachne , em homenagem a Quimera, uma besta híbrida da mitologia grega, formada com partes de diferentes animais.

O paleontólogo da Universidade do Kansas, Paul Selden, afirma que as criaturas são da classe aracnídeos, que agrupa artrópodes, como a aranha, o escorpião e o carrapato. Para ele, é provável que seu pequeno tamanho tenha a permitido deixar muitos descendentes em Mianmar, onde o fóssil, peles, escamas e uma série de elementos significantes para a ciência e história foram detectados.

Características

Segundo os estudos, a espécie utilizava sua cauda longa para fugir de predadores e para capturar suas presas, sendo muito importante para fins sensoriais. Misturando características antigas, com algumas mais conhecidas na atualidade, a criatura continha colmilhos, pequenas ‘pinças’, por onde injeta veneno em insetos.

Leia também: Cobra pendurada em árvore devora um gambá adulto por inteiro; assista ao vídeo

Descoberta teve um ancestral em comum com a aranha e se iguala a um membro mais primitivoas: o mesotheles
Reprodução/Bo Wang
Descoberta teve um ancestral em comum com a aranha e se iguala a um membro mais primitivoas: o mesotheles

Nos demais fósseis, pode-se identificar órgãos sexuais masculinos, conhecidos como pedipalpos. Semelhante a uma agulha hipodérmica, eram utilizados para transferir esperma para as fêmeas.  

A descoberta pertencente ao período Cretáceo, em que o planeta era habitado por dinossauros, teve um ancestral em comum com a aranha e se iguala ao membro mais primitivo de aranhas modernas: o mesotheles, que com o passar dos anos desenvolveu habilidades únicas, como as fieiras para produção de fios.

Leia também: Cientista encontra ossos de 'galã' da Era do Bronze, morto há mais de 3 mil anos

"Sabemos, há cerca de uma década, que a aranha evoluiu a partir de aracnídeos que tinham caudas há mais de 315 milhões de anos. Mas, ainda não tínhamos encontrado fósseis que mostrassem isso, então, para nós, essa aranha com cauda de escorpião é uma surpresa enorme e fantástica", expôs o coautor da pesquisa, Russel Garwood ao Daily Mail .