Criatura nomeada 'humanzee' foi feita por meio de inseminação artificial; segundo evolucionista, ela nasceu nos EUA e foi morta pela prática eutanásia

Um cientista renomado fez uma afirmação que deixou o mundo da ciência eufórico. O psicólogo evolutivo, Gordon Gallup, relatou ao The Sun que, quase 100 anos atrás, um híbrido humano-chimpanzé foi criado em um laboratório nos Estados Unidos.

Leia também: Poluição? Peixes "dragões" são encontrados em rio na Rússia e intrigam moradores

Segundo Gallup, um de seus professores confirmou que o híbrido conhecido como ' humanzee'  foi gerado em Orange Park, na Flórida, em 1920, porém foi morto depois que médicos entraram em pânico com o seu  desenvolvimento.

“Eles inseminaram uma chimpanzé fêmea com sêmen humano de um doador não revelado. A gravidez passou por todas as etapas, permitindo que um bebê metade humano e metade macaco nascesse. Seus dias na Terra não duraram muito devido as considerações morais e éticas de alguns médicos, que decidiram aplicar o método eutanásia nele”, diz.

Gallup expõe que não pode revelar quem lhe contou sobre o ' humanzee ', mas garante se tratar de um "profissional muito conhecido", que trabalhou na Yerkes e no centro de pesquisa da Universidade Emory, em Atlanta.

Leia também: Vídeo pornográfico interrompe mostra de filme em escola inglesa e choca crianças

Hibridização

Oliver foi visto como hibrido humano-chimpanzé por anos
Reprodução/Bettmann Archive
Oliver foi visto como hibrido humano-chimpanzé por anos

Vale lembrar que os exemplos mais antigos e notáveis de hibridização humano-macaco foram testados em 1920, pelo cientista russo Ilya Ivanovich Ivanov. Seus experimentos também foram feitos por inseminação artificial, porém não obtiveram sucesso.

Com isso, ele criou várias outras práticas controversas envolvendo esperma de macaco e voluntárias humanas. O projeto foi interrompido e nunca foi retomado.

Mais recentemente, em 1958, "Oliver, o chimpanzé" foi considerado um ' humanzee ' por causa de sua feição e comportamento humanos. Ele andava sobre dois pés, tinha nariz saliente e sardas por toda a face, o que aumentou ainda mais as especulações.

Entretanto, em 1996, um teste de DNA revelou que Oliver tinha 48 cromossomos, numeração comum de um chimpanzé. Para ser considerado um híbrido, deveria conter 47, que fica entre os 48 de um chimpanzé e 46, de um humano. Oliver morreu em 2012, aos 55 anos de idade.

Leia também: Fóssil humano mais antigo fora da África é encontrado em Israel

O psicólogo afirma que, além dos chimpanzés, é possível criar um híbrido cruzando humanos com gorilas e orangotangos, mas que é pouco provável que  experimentos futuros para a criação dos ' hurilla ' e ' hurang ’ superem os custos grandiosos que podem acarretar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.